Grande Futebol
"Rúben Semedo pode chegar a uma equipa de topo e ser o futuro da seleção"
2019-10-22 10:50:00
Pedor Martins destaca que o defesa tem "potencial para jogar a um nível mais elevado"

O técnico português do Olympiakos, Pedro Martins, concedeu uma entrevista ao jornal alemão Bild e ao periódico espanhol Marca,) onde lança o jogo desta noite com o Bayern de Munique, em Atenas, da Liga dos Campeões, e aborda outros temas, como o seu futuro, o estado atual do futebol grego, ou o potencial de Rúben Semedo.

O treinador não receia defrontar o Bayern depois da goleada imposta em Londres. “Não, porque esta vitória foi anormal. Em 100 jogos, apenas uma vez seria possível obter tal resultado. Os outros 99 seriam mais renhidos e o Tottenham poderia ganhar vários deles”, justificou.

Pedro Martins espera “uma atmosfera fantástica no estádio” e não parte derrotado. Pelo contrário: “Se tivermos oportunidade de vencer a partida, lutaremos por isso até final”.

“Acredito que podemos ganhar ao Bayern. Nos jogos com os Spurs e Hoffenheim vi momentos que me permitiram perceber como levar a melhor. O Hoffenheim mostrou como as transições rápidas podem provocar danos na defesa do Bayern, mas a verdade é que os bávaros estavam bastante cansados nesse jogo”, assinalou.

O treinador luso abordou o seu estilo de jogo e referiu que adota um futebol ofensivo, porque “quando se joga para o empate, perde-se quase sempre”.  

“Lutamos e trabalhamos para marcar. As nossas hipóteses de chegar à vitória são maiores se lutarmos sempre pela vitória”, refere.

Instado a destacar um jogador da sua equipa, Pedro Martins elege o defesa central Rúben Semedo.

“Fui eu quem pediu a sua contratação. Rúben Semedo pode chegar a uma equipa de topo e ser o futuro da seleção nacional. Tem potencial para jogar a um nível mais elevado. Hoje, terá pela frente o Lewandowski num duelo físico que será muito interessante”, perspetivou.

Pedro Martins ainda abordou o futuro, salientando que tem mais um ano de contrato e um objetivo para cumprir: “Quero ser campeão pelo Olympiakos. Tivemos essa oportunidade no ano passado e a equipa continua a crescer. Depois de conseguir esse objetivo logo olharei para o que o futuro me reserva”.

Sobre o futebol grego, destaca o equilíbrio. “É muito competitivo, pelo que não é uma liga fácil. Os jogos são muito equilibrados pelo que é pouco comum haver goleadas. A nível de seleção o período não é o melhor, falta estabilidade e um rumo. E acima de tudo falta um bom trabalho ao nível das camadas jovens. Os clubes não têm as melhores condições para a formação de jogadores e essa é principal lacuna do futebol grego. Há muito talento mas não se trabalha com boas condições nas camadas mais jovens e isso tem reflexo na seleção”, realçou.