Portugal
"No Benfica estava a ganhar o salário de um menino que subia a profissional"
2019-06-14 21:50:00
Carlos Gamarra recorda a passagem pelo Benfica

Carlos Gamarra é um dos nomes sonantes dos anos 90 e 2000, pela qualidade que mostrava no centro da defesa e pela forma aguerrida como se entregava ao jogo. Em entrevista ao Globo Esporte, o antigo jogador de Corinthians, Atlético de Madrid, Flamengo ou Inter de Milão recorda a passagem por Portugal, onde representou o Benfica. 

"Tenho boas lembranças do Internacional. Já cheguei como ídolo. Encaixei muito bem na equipa. Joguei um ano e meio e a partir daí começou uma carreira totalmente diferente. Fui para o Benfica! O Internacional abriu-me as portas para a primeira transferência para a Europa", começou por dizer. 

"Estava muito bem e joguei todos os jogos. Só que quando me apercebi realmente das coisas, descobri que estava a ganhar o salário de um menino que subia de amador para profissional. E eu tinha contrato de quatro anos em que ficaria esses quatro anos com o mesmo salário. A ganhar menos do que os meninos no primeiro ano de profissional. Conheci aquele que seria o meu agente e disse-lhe: 'Se tiveres alguma coisa, leva-me daqui de novo'. E apareceu o Corinthians", acrescentou. 

Gamarra representou o Benfica em 17 ocasiões, rumou ao Corinthians e regressou à Europa pouco depois, para jogar no Atlético de Madrid. 

"No Atlético foi diferente. Estávamos bem, com uma boa equipa e um bom treinador: Claudio Ranieri. Só que naquela época tinha contrato por dentro e por fora. O presidente do Atlético de Madrid, Jesus Gil y Gil, era maluco. Dizia que o filho era o rei daquela coisa, desafiava o presidente, desafiava todo a a gente. (...) Até que, um dia, com a gente a treinar, chegaram umas 50 viaturas e tomaram o clube. A gente só podia cobrar o dinheiro que era por dentro. E aí começou a crise no Atlético de Madrid", afirmou.