Portugal
"Não usem o Benfica e os benfiquistas como escudo" no caso Rui Pinto
2020-01-20 19:50:00
Bruno Costa Carvalho compara situação do hacker com o caso Isabel dos Santos

O benfiquista Bruno Costa Carvalho criticou a diferença de tratamento dado a Isabel dos Santos, a quem agora são exigidas explicações públicas, e a Rui Pinto, há perto de um ano em prisão preventiva.

Nas redes sociais, o ex-candidato à liderança do Benfica lembrou que foram revelados "715 mil documentos" dos "malabarismos" praticados pela filha do ex-Presidente de Angola, sem que fosse questionado "como foram obtidos" esses documentos.

"O importante, e que se sobrepôs a tudo, foi o que os documentos expuseram", salientou.

Com Rui Pinto "passa-se o mesmo", mas... ao contrário.

"A justiça portuguesa teria muito a ganhar em saber o que escondem os documentos que ele tem consigo. Mas, infelizmente, ninguém quer saber", lamentou Bruno Costa Carvalho.

O ex-candidato acredita que se criou na opinião pública "a ideia de que se trata de um ataque ao Benfica", alegando um intuito de 'boicotar' a investigação.

"Nesses documentos está muita coisa que não tem nada a ver com o futebol. E, mesmo que tenha a ver, como defendo um Benfica limpo e acredito que as ações dos dirigentes do Benfica se regeram pela obediência à lei, não há nada temer. Não usem o Benfica e os benfiquistas como escudo", explicou.

Bruno Costa Carvalho frisou que "é imperativo sabermos o que o Rui Pinto tem entre mãos", tanto mais que "ninguém faz nada sozinho", como demostrou "o caso Isabel dos Santos", com "vários portugueses envolvidos".

"Vamos ver o que faz a justiça portuguesa. Eu tenho um palpite: ou não faz nada ou faz um mega processo para que dure uns 20 anos, o que é exactamente igual a não fazer nada", concluiu.