Grande Futebol
Insultou Sterling, perdeu o lugar anual e… o emprego
2018-12-11 18:00:00
O castigo, por parte do Chelsea, pode não ficar por aqui.

Colin Wing, de 60 anos, perdeu o lugar cativo em Stamford Bridge – lugar que diz ocupar há 50 anos – e, para piorar, afirma ter perdido o emprego que tinha. Tudo porque, no passado domingo, insultou Raheem Sterling, no Chelsea-Manchester City. O jogador limitou-se a rir.

As câmaras televisivas captaram os momentos em que Wing, bem como outros quatro adeptos, insultaram Sterling. Em causa estão insultos racistas, que Wing nega. Nega o racismo, mas assume os insultos. “Estou envergonhado com o meu comportamento. Quero pedir desculpas e espero que ele seja um homem melhor do que eu ao aceitá-las. Mesmo que não tenha sido racista, o que eu disse não foi correto. Eu estava completamente descontrolado”, disse, citado pelo "Daily Mail".

O adepto deixou ainda uma defesa: “Vou a Stamford Bridge há 50 anos e, pelo local onde me sento, sou visto pelas câmaras todas as semanas. Se eu tivesse um historial de dizer este tipo de coisas, já teria sido apanhado antes”.

Apesar de ainda não terem existido detenções por parte da polícia, é certo que as investigações estão a decorrer e que os quarto adeptos identificados – entre eles Coline Wing – já foram ouvidos.

O Chelsea está, também, a fazer a sua própria investigação e o castigo para Wing pode não ficar apenas pela perda do lugar anual. O clube contratou um especialista em leitura labial, de forma a esclarecer o que foi, afinal, dito por Wing a Sterling. Se se confirmarem os insultos racistas, o adepto corre o risco de ser banido para sempre de Stamford Bridge.

“Se o clube identificar evidências de adeptos terem participado em comportamentos racistas, iremos aplicar sanções severas, incluindo banir. Vamos, também, apoiar acusações criminais”, esclareceu o Chelsea, à imprensa inglesa.

Sê o primeiro a comentar: