Prolongamento
“Gramámos com Adrián”. Os 'flops' mais recentes de Pinto da Costa
2019-06-21 19:00:00
Declaração do presidente do FC Porto gerou controvérsia nas redes sociais

O presidente do FC Porto mandou uma nova 'bicada' a Julen Lopetegui, responsabilizando o espanhol pela contratação de “jogadores como Adrián”. Uma rápida consulta online demonstra que Pinto da Costa autorizou os 'flops' de outros treinadores.

Ao comentar o interesse dos dragões em Zé Luís, Pinto da Costa explicou que “é um pedido do treinador” e, sem aparente necessidade, aproveitou para deixar uma farpa a Julen Lopetegui.

“Quem escolhe os jogadores no FC Porto é o treinador, seja ele qual for. É por isso que já gramámos com jogadores como o Adrián López, que esteve aqui cinco anos a ganhar uma fortuna por ter feito a vontade a um treinador”, afirmou.

De forma indireta, Pinto da Costa assumiu a culpa por o FC Porto estar a pagar “uma fortuna” a jogadores que passam sem sucesso pelo Dragão, apenas para fazer “a vontade a um treinador”.

Nas redes sociais, a declaração causou controvérsia. Os adeptos portistas dividiram-se entre que criticaram o presidente por 'empurrar as culpas' para Lopetegui (e, indiretamente, colocar em causa o profissionalismo do atleta) e os que o defenderam por tentar montar o plantel ao gosto de cada treinador.

Deixando Lopetegui de lado, uma rápida consulta aos registos do Transfermarkt, o site de referência ao nível de transferências, permitiu ver que o FC Porto pagou milhões para “fazer a vontade” a Sérgio Conceição.

Só na época passada, os azuis e brancos compraram Majeed Waris (5,2 milhões de euros, após 250 mil euros do empréstimo na temporada anterior), Paulinho (três milhões e 'devolvido' ao Portimonense), Saidy Janko (2,2 milhões), Yordan Osorio (dois milhões, para ser emprestado), Ewerton (dois milhões, emprestado a um clube japonês) e Rafa Soares (1,5 milhões, tendo sido uma das promessas da formação portista).

'Escaparam' destas contas Chancel Mbemba (4,66 milhões), 'tapado' por Militão (e depois Pepe) mas que pode aproveitar a oportunidade este ano, Fernando Andrade (1,5 milhões) e Wilson Manafá (valor desconhecido), que tiveram um uso regular.

Também não foi Julen Lopetegui quem pediu Laurent Depoitre, em 2016/17. Tendo sido um pedido de Nuno Espírito Santo, foi Pinto da Costa quem autorizou o pagamento de seis milhões de euros pelo belga.

Em 2013/14, para fazer “a vontade” a Paulo Fonseca, o presidente do FC Porto assinou as transferências, entre outras, de Nabil Ghilas (3,8 milhões de euros) e de Quintero, comprado por 10 milhões e vendido em janeiro de 2019 por 3,2.

Menos sorte teve Vítor Pereira na época anterior, pois se pediu Jackson Martínez (8,89 milhões), viu Pinto da Costa fazer-lhe “a vontade” com Héctor Quiñónes (1,98), Fabiano (1,20) e Marat Izmailov (um milhão de euros). Ainda assim, foi bicampeão.

Em meia dúzia de anos, o presidente do FC Porto, para “fazer a vontade ao treinador”, autorizou reforços com escasso rendimento desportivo e financeiro. Insucessos que foram caindo no esquecimento com saídas como as de Imbula (24,5 milhões, meio ano depois de adquirido por 20 milhões), Jackson Martínez (37,10 milhões), Danilo (31,50 milhões) e Alex Sandro (26 milhões).

Curiosamente, quatro vendas milionárias durante o consulado de... Julen Lopetegui.

Tags: