Portugal
FC Porto e o regresso dos emprestados: uma política para manter
João Pedro Cordeiro
2018-05-24 22:30:00
Sérgio Conceição quer reintegrar no plantel cinco jogadores que passaram esta temporada emprestados.

Diz-se, no futebol, que em equipa que ganha não se mexe. No caso do FC Porto, podíamos adaptar o ditado a “política que ganha, não se mexe”. Em 2017/18, Sérgio Conceição liderou a equipa azul e branca ao título nacional com uma equipa recheada de jogadores que, na temporada anterior, estiveram emprestados e longe do Dragão. A política de recuperação de ativos emprestados deu frutos e, com base nas palavras recentes de Sérgio Conceição, em entrevista à SIC, parece certo ser uma política para ser continuada. Em 2017/18 foram quase três dezenas os jogadores emprestados pelo FC Porto. Cinco deles mereceram especial destaque por parte de Sérgio Conceição.

“Obviamente que nós vamos seguindo. Tivemos essa preocupação, fomos acompanhando. O Chidozie é um jogador que fez uma época muito boa, o Mikel fez uma época muito interessante também, o André Pereira também fez seis meses interessantes. Sabemos da qualidade do Galeno, do Fede Varela, que estiveram emprestados ao Portimonense. Vamos ver. Eu quero que esses jogadores façam a pré-época no FC Porto”, afirmou Sérgio Conceição durante a entrevista à SIC. Conseguirão estes, ou algum outro, convencer Conceição a integrar o plantel do FC Porto na próxima temporada?

Com Ivan Marcano e Diego Reyes em final de contrato e sob sério risco de abandonar o Dragão antes do início da próxima temporada, Chidozie Awaziem, que passou a temporada emprestado no Nantes, surge como o principal favorito entre os jogadores que passaram 17/18 emprestados a integrar o plantel do FC Porto na próxima temporada. Chidozie foi uma das figuras do Nantes de Claudio Ranieri durante grande parte da temporada até ao momento em que uma lesão na virilha retirou o nigeriano de combate durante quatro jornadas, e nunca recuperando o ritmo que vinha mostrando na temporada a partir de fevereiro. Em Nantes, Chidozie foi ainda utilizado em diferentes posições, como ambas as laterais e a zona mais defensiva do meio campo, algo que poderá também jogar a favor do nigeriano. Afinal, versatilidade é sempre uma mais valia.

Já com cinco internacionalizações pela Nigéria, surge Mikel Agu. Aos 24 anos, o médio que esteve emprestado ao Bursaspor poderá regressar ao Dragão com estatuto de Mundialista e depois de uma temporada marcada pela utilização regular no Bursaspor. Tal como Chidozie, curiosamente, marcada por uma lesão a meio da temporada (rutura do menisco) que retirou Mikel Agu dos relvados durante cinco jornadas. Ao todo, Agu ajudou o Bursaspor a manter-se na Superliga turca tendo sido utilizado em 23 jornadas, nas quais apontou dois golos e registou duas assistências, tendo sido titular praticamente absoluto nos jogos que realizou.

Depois de uma primeira metade da temporada em que se afirmou como uma das grandes figuras do FC Porto B na segunda liga portuguesa, André Pereira foi o nome encontrado pelos azuis e brancos para “compensar” o Vitória FC pela repescagem de Gonçalo Paciência em janeiro deste ano. Se até então André Pereira tinha feito 18 jogos pelo FC Porto B e apontado oito golos e quatro assistências na segunda liga, em Setúbal, só em duas jornadas desde que chegou ao emblema sadino André Pereira não entrou em campo. O atacante do FC Porto foi ainda figura fulcral na manutenção da equipa sadina na primeira divisão com um golo na última jornada que valeu a vitória perante o CD Tondela. Ao todo, foram trezes presenças pelo Vitória coroadas com quatro golos e uma assistência.

Tal como André Pereira, também Fede Varela foi uma das figuras do FC Porto B durante a primeira metade da temporada na segunda liga portuguesa, prosseguindo a temporada, após janeiro, por empréstimo. O médio ofensivo argentino foi um dos dois jogadores emprestados pelo FC Porto ao Portimonense, e em Portimão, apesar do arranque algo tímido, acabou a temporada a titular. Ao todo foram 637 minutos de utilização no Portimonense na segunda metade da temporada distribuídos por 12 jogos. Tudo isto, depois de vinte presenças pelo FC Porto B, coloridas com oito golos e três assistências.

Por fim, surge Galeno. O jovem avançado brasileiro, que até jogou pela equipa do FC Porto esta temporada, e apontou um golo na Taça de Portugal frente ao Lusitano Évora, foi o elemento destacado por Sérgio Conceição que menos mostrou durante o período em que esteve emprestado, também ele, ao Portimonense. Galeno foi utilizado em apenas sete dos quinze jogos possíveis pelo Portimonense, tendo, ainda assim, efetuado duas assistências pelo conjunto de Vítor Oliveira. Também ele emprestado na segunda metade da temporada após uma primeira de destaque ao serviço do FC Porto B.

Chidozie, Mikel Agu, Varela, Galeno e André Pereira não são os únicos jogadores que foram emprestados pelo FC Porto esta temporada. Ao todo, foram 27, entre os quais se contam ainda nomes como Boly e Quintero que vêm reabilitando as suas carreiras nos últimos tempos. São, porém, aqueles que parecem mais perto de reintegrar o plantel do FC Porto na próxima temporada, palavras do próprio Sérgio Conceição, perspetivando-se nova abordagem semelhante ao que ocorreu esta época: contruir um plantel com base nos jogadores emprestados na temporada passada.

Os outros emprestados do FC Porto:

Willy Boly (Wolverhampton Wanderers): 37 jogos, três golos e duas assistências;
Adrián López (Deportivo): 31 jogos, nove golos, cinco assistências;
Suk Hyun-jun (Troyes): 26 jogos, seis golos, uma assistência;
Raúl Gudiño (APOEL Nicósia): três jogos, cinco golos sofridos;
Omar Govea (Mouscron): 33 jogos, quatro golos, seis assistências;
Ivo Rodrigues (Antuérpia): 27 jogos, três golos, três assistências;
Zé Manuel (Wisla/Feirense): 11 jogos;
Gleison (FC Penafiel): 33 jogos, quatro golos, quatro assistências;
João Carlos Teixeira (SC Braga): 23 jogos, um golo, duas assistências;
Fernando Fonseca (Estoril Praia): 19 jogos, duas assistências;
Rui Pedro (Boavista): 20 jogos, um golo, uma assistência;
Miguel Layún (Sevilha FC): 18 jogos, dois golos;
Juan Quintero (River Plate): 14 jogos, um golo, duas assistências;
Kelvin (Vasco da Gama): 4 jogos, um golo, duas assistências;
Alberto Bueno (Málaga CF): 11 jogos;
Walter (Paysandu/Alagoano): 16 jogos, quatro golos;
João Costa (Gil Vicente): 13 jogos, 18 golos sofridos;
Rúben Macedo (Varzim): 25 jogos, cinco golos, duas assistências;
Jorge Fernandes (CD Todela): 13 jogos;
Leandro Silva (AEL Limassol): 32 jogos, quatro golos, dez assistências;
António Xavier (Anadia): 11 jogos, três golos
Dinghao Yan (Salgueiros): 12 jogos, três golos

Sê o primeiro a comentar: