Grande Futebol
Em Inglaterra há uma tese para a derrota do Liverpool FC: falta de cérebro
Sérgio Cavaleiro
2018-11-07 16:00:00
Os adeptos não estão contentes com o desempenho ofensivo da equipa de Klopp e pedem um regresso

A derrota em Belgrado, diante do modesto Estrela Vermelha (2-0), significou a terceira consecutiva fora de portas para o Liverpool FC na Liga dos Campeões. Em Inglaterra já se constroem teorias sobre a fraca performance da equipa da cidade dos Beatles. A que está a ganhar mais força é o facto de Jurgen Klopp ter perdido o "cérebro". Desde a saída do adjunto Zeljko Buvac - trabalhou com Klopp durante 17 anos -, o Liverpool perdeu quatro dos seis jogos que fez para Champions. Com Buvac, os Reds realizaram onze jogos e perderam... zero.

De acordo com os queixumes dos adeptos do Liverpool FC, a derrota na Sérvia, frente a uma das equipas menos cotadas da Liga dos Campeões, não foi apenas uma mera escorregadela. Ao que parece, os adeptos dos Reds não têm estado satisfeitos com as últimas prestações da equipa, especialmente no plano ofensivo. Mas parece que há uma explicação lógica para este decréscimo de energia atacante: a saída de Zeljko Buvac, adjunto que acompanhou Klopp desde que este decidiu ser treinador, mas que partiu há seis meses devido a um alegado desentendimento entre os dois.

Mas qual seria, afinal o papel deste Zeljko Buvac? De acordo com o próprio Jurgen Klopp, Buvac - nascido na antiga Jugoslávia - era o "cérebro" de toda a operação, sobretudo no plano ofensivo. Foi Buvac que pensou no estilo de futebol heavy-metal que têm caracterizado as equipas orientadas por Jurgen Klopp. Primeiro o FSV Mainz, depois o Borussia Dortmund e agora o Liverpool FC. A movimentação constante dos jogadores do ataque, a pressão imediata dos avançados e o futebol de vertigem eram impressões digitais de Buvac.

De acordo com algumas notícias vindas de Inglaterra, na base da saída de Buvac - que aconteceu nos últimos dias de abril passado - esteve uma intensa discussão com Jurgen Klopp. Ao que parece os dois estavam de candeias às avessas devido ao facto de Klopp ter afastado, gradualmente, Buvac do centro das decisões, algo que o sérvio não gostou.

“Antes e depois de qualquer sessão de treino conversamos os dois. Antes e depois de qualquer jogo… conversamos os dois. Nos treinos observo, vejo tudo, se sinto que há algo que precisa ser corrigido, falo com Klopp. Discutimos ‘porque tem de ser assim’? É uma decisão que tomamos sempre em conjunto. É assim nos treinos, como o é durante os jogos. Se for necessário levanto-me do banco para dar instruções. Não preciso perguntar”, Buvac ao Daily Express em 2016.

A verdade é que muitos adeptos do Liverpool FC começam a questionar se a equipa não sente mesmo falta do "cérebro". Nas redes sociais foram muitos, após a derrota da passada terça-feira, que pediram o regresso do adjunto que trabalhou com Klopp durante 17 anos. Desde os tempos em que o alemão deixou de jogar, para se tornar no treinador do FSV Mainz. Há quem lembre o facto de o Liverpool Fc não ter perdido qualquer dos onze jogos que fez para a Liga dos Campeões enquanto Buvac esteve em Anfield. É que desde que o sérvio saiu, os Reds perderam quatro dos seis jogos que disputaram.

Resta saber como irá reagir, nos próximos desafios, o Liverpool FC após dois jogos consecutivos sem conhecer o sabor da vitória. Se o empate em Londres, em casa do Arsenal, não pode ser considerado um mau resultado, a derrota em Belgrado, frente a um modesto Estrela Vermelha fez soar os alarmes para o lado de Anfield. Precisará Klopp de fazer as pazes com o seu "cérebro"?

Sê o primeiro a comentar: