Prolongamento
Deputados europeus querem mais ações da UEFA contra racismo e discriminação
2019-11-21 21:40:00
Políticos enviaram carta ao presidente da UEFA

Um grupo de deputados do Parlamento Europeu, entre eles cinco portugueses, subscreveram uma carta ao presidente da UEFA para que tome medidas urgentes contra o racismo e a discriminação.

Os deputados portugueses subscritores da missiva são por Margarida Marques, Marisa Matias, Álvaro Amaro, Isabel Carvalhais e José Gusmão.

“Estamos chocados com os incidentes racistas e discriminatórios que ocorreram na semana passada em várias ligas de futebol e em jogos internacionais (…). Escrevemos-lhe como membros do Parlamento Europeu para que a UEFA tome ações urgentes contra o racismo e a discriminação. Acreditamos que ninguém na comunidade do futebol tenha de tolerar discriminações de qualquer natureza”, pode ler-se na carta endereçada ao esloveno Aleksander Ceferin, presidente da UEFA.

O grupo de deputados europeus, numa carta também assinada por Margarida Marques, Marisa Matias, Álvaro Amaro, Isabel Carvalhais e José Gusmão, elogia a ação do dirigente neste domínio, mas entende que são necessárias mais ações.

“Acompanhamos a sua liderança e a condenação imediata do racismo e da discriminação tal como as medidas inseridas no protocolo que fornecem aos árbitros e aos jogadores orientações de como devem agir em casos de racismo e discriminação. Contudo, acreditamos que são necessárias outras medidas”, acrescentam.

Desde logo, assegurar que o protocolo “é devidamente cumprido pelos árbitros, incluindo o encaminhamento dos jogadores para os balneários e a suspensão do jogo, acabar com as sanções simbólicas, impondo outras mais pesadas em casos repetidos de racismo e discriminação nos estádios, incluindo a expulsão de clubes e países das competições”.

Por outro lado, os deputados subscritores da carta apelam ao “incremento do investimento e do apoio para iniciativas educacionais” contra o racismo e a discriminação, considerando “ser imperativo de todos a luta contra a intolerância” e exigindo “mais ações para a combater”.

“Temos de garantir que todos as autoridades do futebol e os adeptos tenham a noção das consequências dos seus atos”, pode ainda ler-se na missiva, na qual os deputados europeus fazem saber a Aleksander Ceferin que esperam uma resposta à carta e conhecer as ações que irá tomar doravante para combater o fenómeno.

Tags: