Portugal
“Com este meio-campo, o FC Porto não é candidato ao título”, diz Rodolfo Reis
2019-08-12 13:00:00
"Nos últimos 30 metros, o FC Porto não tem jogadores de classe", diz ainda o antigo capitão portista

Antigo capitão aponta ao treinador: “Quero que o Sérgio Conceição tenha a certeza de que não é um iluminado”

A derrota do FC Porto diante do Gil Vicente, no arranque do campeonato, deixou Rodolfo Reis apreensivo. O histórico capitão exprimiu esse sentimento no programa Play-Off, da SIC Notícias, neste domingo.

E apesar de manter total confiança em Sérgio Conceição, o ex-futebolista não deixa de apontar o dedo ao treinador – pelas opções para o onze, passando pelas alterações durante o jogo e até em alguns traços de personalidade.

“Eu vou dizer a verdade. Era o que faltava… Antes de mais, quero dar os parabéns ao Gil Vicente. Venceu com todo o mérito. Quero dizer também que, com este meio-campo, o FC Porto não é candidato ao título. Digo e volto a dizer. Danilo é talvez o único titular indiscutível nesta equipa. No sistema em que joga, Sérgio Conceição não procurou características idênticas ao Danilo. E no FC Porto não pode ser. O FC Porto não pode mudar a sua cara”, aponta Rodolfo Reis.

“Nos últimos 30 metros, quer queiramos quer não, o FC Porto não tem jogadores de classe. O Benfica em meia oportunidade faz golo. O FC Porto precisa de três, quatro oportunidades para fazer um golo”, lamenta.

Rodolfo viaja pela primeira época de Sérgio Conceição. Olha ao passado e compara com o presente. Quem é o responsável pelo atual quadro portista?

“Quando o FC Porto foi campeão, eu disse que o grande mérito era do treinador, que mudou aquilo tudo. Agora, digo que a grande responsabilidade, devido ao plantel que o FC Porto tem, é Sérgio Conceição”, disse.  

Num olhar ao jogo de Barcelos, com derrota portista (2-1) no arranque do campeonato, Rodolfo Reis critica o facto de os dragões terem entrado em campo “sem criativos”.

E Nakajima, porque não joga?

“Não entendo. Doze milhões? Não entendo. Se não é um jogador à medida de Sérgio Conceição, e entendendo eu que o treinador foi o responsável pela sua contratação, se o não mete a jogar é porque não quer. Se não tem as caraterísticas que ele quer, é porque ele escolheu mal. E se escolheu mal quem tem culpa? Sérgio Conceição”, sublinha.  

E se não compreende o onze azul e branco em Barcelos, também se surpreendeu com algumas substituições.

Rodolfo Reis entende que lançar Fábio Silva numa altura em que o FC Porto está a perder é um erro.   

“Um jovem de 17 anos, com o valor que Fábio Silva tem, só deve entrar na equipa quando ela está bem, confortável no jogo. Este miúdo tem de ser lançado e jogar sempre 10, 15 minutos… Um miúdo destes pode ser ‘queimado’. Não é ele que vai resolver uma anarquia que já havia na equipa, que estava a perder. Não é um miúdo que vai resolver isto. Ele é de todos os avançados aquele que tem mais classe. Mas só pode entrar quando a equipa está a jogar bem, a ganhar por dois. Não é lançado às feras quando a equipa está moribunda.

O FC Porto é “uma equipa desorganizada, lenta”, e “se não muda, vai ter problemas”. Por outro lado, considera, o treinador escolheu “jogadores com as mesmas caraterísticas”.

“Eu quero o meu Porto campeão. E o FC Porto deste jogo ficará distantíssimo do Benfica. O FC Porto não pode ser esta equipa que foi em Barcelos”, diz ainda, com a confiança, porém, de que Sérgio Conceição “faca com que esta equipa renda o que rendeu há dois anos”, refere.

“Quero que o Sérgio Conceição tenha a certeza de que ele não é um iluminado. Não há iluminados, companheiro… Não há. Há bons profissionais. Treinadores mais competentes, treinadores mais espertos, aqueles que lêem melhor no banco, aqueles que conseguem chegar aos jogadores que não jogam e trazê-los para o grupo”, conclui.