Portugal
Todas as respostas na íntegra enviadas pelo Benfica ao New York Times
2020-04-23 13:40:00
O longo documento das águias que o Bancada opta por revelar na íntegra em nome do rigor jornalístico

O Benfica decidiu partilhar publicamente as respostas que foram enviadas para o New York Times, a respeito de uma reportagem feita pelo jornal norte-americano sobre a alegada influência do emblema encarnado na sociedade portuguesa, na justiça e nos órgãos do poder. O Bancada entende partilhar na íntegra as respostas dadas pelo Benfica, sem qualquer tipo de corte, a bem do rigor jornalístico.

Já depois de algumas alterações ao artigo original feitas pelo órgão norte-americano, onde já constavam algumas respostas do Benfica, os campeões nacionais fazem saber foram contactados pelo New York Times por causa de uma matéria a envolver o hacker Rui Pinto e realçam que o Benfica "é totalmente alheio, não tendo qualquer envolvimento, nem qualquer ligação, nem participação em qualquer qualidade" com o pirata informático.

"Entendemos tornar públicas na íntegra as questões e respostas que, em nosso nome, foram dadas pela equipa jurídica que representa o clube".

À pergunta sobre uma apresentação de 49 páginas do Benfica onde se explica os objetivos do clube e um deles parece ser o de influenciar o ambiente externo sobre a "Casa Estratégica", o Benfica realça que "tem vários documentos e apresentações feitas pelos seus profissionais sobre as "Casas do Benfica". As "Casas do Benfica", se não tem conhecimento, são grupos organizados de apoiantes do Benfica, espalhados pelo mundo inteiro. Em nenhum dos documentos ou apresentações preparadas pelo Benfica, incluindo no que respeita às "Casas do Benfica", os profissionais do Benfica atuaram ou sugeriram quaisquer ações, que não fossem perfeitamente legais. O mesmo se aplica ao documento que refere, assumindo naturalmente que se trata de um documento que seja propriedade do Benfica".

Na segunda pergunta, o Benfica é questionado sobre uma alegada influência pouco saudável nos órgãos de poder de Portugal e na resposta os encarnados deixam claro que "algumas pessoas dizem tudo o que querem em relação a qualquer questão que queiram – especificamente quando são "pessoas" escondidas atrás de cortinas de fumo".

No longo artigo que o Benfica divulga, nesta quinta-feira, as águias sublinham ainda que "há muitas pessoas que falam da influência pouco salutar das empresas norte-americanas e mesmo do seu governo sobre os negócios em países estrangeiros, como decisões políticas de outras nações soberanas (e vice-versa, como a Ucrânia). Como jornalista, é preciso saber a diferença entre alegações com objetivos noticiosos concretos e alegações evidentes de influências perniciosas nos órgãos de poder de qualquer país. As teorias da conspiração são o alimento diário da Internet, das redes sociais e, infelizmente, até de jornais de confiança e conceituados".

O Benfica aconselha ainda que se façam algumas questões antes de se realizar uma reportagem.

"A primeira pergunta que alguém deve fazer é quem são as algumas pessoas? Os adversários do Benfica? Os adversários profissionais dos apoiantes de renome do Benfica? Algumas pessoas que querem ganhar campeonatos sem terem capacidade para o fazer, e assim usam todo o tipo de argumentos para falsamente reclamar contra o Benfica? E, também, aqueles que usam roubos, pirataria, que fazem campanhas de difamação, etc?"

Na resposta enviada ao jornal norte-americano, o emblema encarnado diz ser importante estar atento às situações.

"Não nos esqueçamos que para atacar o Benfica, o maior e mais competente clube de futebol de Portugal, alguém pagou a hackers/piratas e assaltantes para obter informações comerciais sigilosas. Se algo semelhante ocorrer nos EUA, as autoridades, como o Departamento de Justiça, FBI, e até órgãos políticos, etc., estariam a perseguir e a acusar os hackers, os assaltantes e os agentes de difamação".

Além disso, o Benfica também lembra que "uma pergunta muito interessante, que alguém faria, seria também: porque é que uma Fundação norte-americana está tão interessada em suportar os custos da vida e da defesa de um hacker/criminoso? Será normal, e algo de que nos possamos orgulhar, que uma instituição legítima apoie atividades criminosas? O que diriam ou pensariam o Departamento de Justiça, o FBI e o Congresso dos EUA sobre uma instituição privada de renome norte-americano que financia criminosos ou atividades criminosas em todo o mundo?"

Na terceira de seis questões, quando é perguntado ao Benfica se processaram criminalmente Rui Pinto por ser a cara por trás do ataque ao Benfica, as águias dizem que "o Benfica procura justiça contra todos os criminosos que invadiram, assaltaram e insultaram esta instituição centenária".

"Infelizmente, mesmo para uma instituição como o Benfica, é muito difícil opor-se a pessoas que estão a ser financiadas (em circunstâncias muito suspeitas) por entidades sediadas no estrangeiro com a cooperação de grupos internacionais de hackers (e também de antigos políticos que estão a preparar a sua futura carreira política, já que se encontram fora de cena neste momento). Seria uma investigação muito interessante: quem e porque está, fora da Europa, a financiar atividades criminosas na Europa relacionadas com o futebol e outras instituições (por exemplo, económicas, industriais, políticas, etc.)".

No documento enviado pelo Benfica para o jornal norte-americano é ainda destacado que "quem sabe, um dia serão descobertas ligações perigosas entre algumas fundações privadas, jornais, políticos e jornalistas dos EUA e da Europa, com os ataques injustos que o Benfica tem vindo a sofrer. Mas, nesse momento, também serão divulgados os objetivos dessas campanhas, tais como a origem do dinheiro utilizado para esse fim. O jornalista que divulgar essa informação ganharia um Pulitzer".

O New York Times questionou também o Benfica sobre a alegada influência do clube como sendo a de um polvo com tentáculos.

Uma vez mais, o Benfica diz que "algumas investigações judiciais e decisões do Tribunal (e não algumas pessoas, como mais uma vez diz na sua pergunta) já demonstraram e decidiram onde está o polvo, quem é o polvo e porque é que alguns clubes rivais do Benfica estão tão preocupados em derrotar o Benfica fora das competições desportivas... uma vez que não estão à altura para competir desportivamente contra o Benfica, tentam ao máximo atacar com falsas acusações".

Neste contexto, o Benfica questiona: "Quantos adeptos do FC Porto e do Sporting (ou de outros clubes) e suas direções têm posições importantes no panorama do futebol e ocupam posições muito importantes nos órgãos governamentais, administrativos e judiciais portugueses? Quantos deputados, ministros, governadores, presidentes de câmara, presidentes de instituições públicas, diretores de empresas públicas, juízes e procuradores são adeptos de outros clubes de futebol? Existe alguma estatística à sua disposição para comparar e colocar essa questão?"

Apontando para a realidade dos EUA, o Benfica aproveita para deixar algumas questões ao referido órgão de comunicação social.

"Quando é que a preocupação com as guerras do futebol português começou a suscitar tal interesse junto do público geral nos EUA, das fundações, das pessoas e dos jornais? Vende realmente jornais (ou garante likes) entre os seus leitores? Quando é que a alegada influência pouco saudável do Benfica na sociedade portuguesa começou a estar sob os holofotes dos leitores do NYT?"

Na penúltima pergunta, o Benfica foi questionado sobre a alegada agressão de que foi alvo um sócio por Luís Filipe Vieira numa recente Assembleia-Geral.

Os campeões nacionais justificam que "em todos os grandes clubes desportivos do mundo, quando falamos de instituições centenárias que suscitam a paixão e os sonhos de milhões de pessoas em todo o planeta, é habitual as assembleias gerais serem vívidas, apaixonadas e até dramáticas. Os prós e os contras típicos da política também ocorrem nestes clubes especiais. Só quem não tem conhecimento absoluto da paixão que o futebol desperta (típica de países onde o futebol quase não tem relevância), pode achar estranho que numa Assembleia Geral ocorra algum exagero verbal. Não foi a primeira vez e supomos que não será a última. Não só no Benfica. Também, noutros clubes, durante a Assembleia Geral, as forças policiais são chamadas para garantir a vida e a integridade física dos diretores. Não foi esse o caso durante o episódio referido na sua pergunta".

Na última questão, o New York Times perguntava se o Benfica se revê na posição de Paulo Gonçalves, que responderá em tribunal pela suspeita de tentar subornar um funcionário do Ministério da Justiça para obter informações sobre casos que possam implicar o Benfica.

O clube lisboeta detalha na resposta e diz que, "em primeiro lugar, não há qualquer referência a nenhum funcionário do Ministério da Justiça".

"Com certeza que a informação que recebeu não é exata e correta, foi-lhe dada uma tradução enganosa. No processo judicial, foi um oficial de justiça auxiliar que foi acusado. Não foi um funcionário do Ministério da Justiça. Em segundo lugar, o Sr. Gonçalves também não era administrador da SAD do clube, conforme decisão dos Tribunais confirmada duas vezes por dois Tribunais diferentes".

Na longa explicação, o Benfica diz também, "em terceiro lugar, e estranhamente, a sua informação sobre a existência e o resultado deste processo penal está bastante atrasada no tempo – estranharíamos um tal nível de desconhecimento sobre o que aconteceu" dado que "todos os meios de comunicação social (alguns internacionais) espalharam a notícia há mais de um ano, o que torna a sua pergunta anacrónica: foi provado num tribunal de 1.ª Instância e confirmado num Tribunal de recurso, que o Benfica não tinha, nem tem, interesse na influência sobre os atos desse trabalhador de um pequeno tribunal numa pequena cidade do interior de Portugal. E, também, nenhum interesse, poder ou influência sobre a vida privada do Sr. Gonçalves (quem são os seus amigos, colegas, contactos, etc.)".

Em conclusão, o Benfica termina o documento com uma ideia. "Tanta informação em falta por trás desta questão (especialmente vinda de um jornalista tão importante e bem informado) não é facilmente compreensível."

Tags: