Portugal
André Pereira, o avançado "cheese" que está a agarrar uma oportunidade
Gomes Ferreira
2018-08-08 22:40:00
Face à lesão de Soares e a hipótese de Marega sair, o jovem avançado ganhou a confiança de Sérgio Conceição

A contrariedade de uns pode ser a oportunidade de outros. Neste caso concreto do FC Porto, a lesão de Soares que afastará o avançado brasileiro da competição nos próximos tempos, a possibilidade de Marega sair neste mercado de transferências e Aboubakar ainda estar à procura da melhor forma, fazem com que André Pereira seja nesta altura uma aposta consistente no ataque portista. O esquerdino, de 23 anos, que tem um percurso de resiliência na carreira, foi titular frente ao Aves na Supertaça e é apontado como possível titular na estreia no campeonato, com o GD Chaves, no Estádio do Dragão.

André Pereira era figura de destaque da equipa B do FC Porto, vice-líder do campeonato, quando em novembro do ano passado Sérgio Conceição chamou-o ao plantel principal e lançou-o no jogo da quarta eliminatória da Taça de Portugal diante do Portimonense. Esteve 25 minutos em campo, tempo suficiente para revelar-se determinante. Foi dele a assistência para o golo decisivo de Brahimi, ao quarto minuto do tempo de compensação, já depois de Aboubakar ter feito o empate. Teve uma participação fugaz no campeonato, também em novembro, diante o Aves, entrando aos 87 minutos e acabaria cedido a título de empréstimo em janeiro ao Vitória de Setúbal, envolvido no regresso de Gonçalo Paciência ao Dragão. A estreia com a camisola dos dragões marcou de tal modo André Pereira que decidiu gravar o momento na pele, com uma tatuagem na perna esquerda com a data do jogo: 17-11-2017.

Em Setúbal, Couceiro apostou nele e André Pereira revelou-se determinante na permanência dos sadinos na I Liga. Foi dele o golo que ditou o triunfo do Vitória FC diante o CD Tondela (1-0), na última jornada, que permitiu à equipa vitoriana manter-se no principal escalão do futebol português.
Nesta pré-época apresentou-se ao trabalho e no final da partida de apresentação com o Newcastle, Sérgio Conceição dissipou as dúvidas que podiam existir no jovem jogador. "Vais ficar connosco", disse o técnico dos portistas a André Pereira, cujas raízes estão em Matosinhos. O primeiro pontapé na bola dado pelo avançado portista, que foi médio e extremo, foi no antigo pelado do Inter de Milheirós, um clube localizado na freguesia de Milheirós, concelho da Maia, distrito do Porto.

"O André é um jogador inteligente a procurar espaços. Não é muito rápido. É um excelente segundo avançado, faz mais o movimento de aproximação ao meio campo, para depois lançar nas diagonais. Foi até o que aconteceu no último golo do FC Porto na Taça. É isso que ele pode dar no FC Porto, uma mais-valia na criação de espaços na frente". Rogério Torres, treinador de André Pereira nos iniciados do Leixões, definia assim o avançado portista ao "Mais Futebol" após a estreia diante o Portimonense. "É humilde e tem uma personalidade positiva que o vai ajudar no futuro", disse ainda Rogério Torres.

O curioso é que André Pereira foi dispensado do FC Porto em 2009, depois de ter chegado ao Dragão em 2005. Foi para o Leixões, para o segundo ano de iniciados, num grupo de jogadores dispensados pelo clube portista e foi aí que passou em definitivo para a posição de avançado centro e que ganhou uma alcunha peculiar: "Cheese" [queijo]. Algo que o então treinador Rogério Torres explicou não saber a razão. A seguir ao Leixões, seguiu-se o Varzim (juniores e equipa B), Sporting de Espinho e Sanjoanense onde voltou a despertar o interesse do FC Porto e , ao serviço da equipa B portista, começou a ganhar cada vez mais preponderância até conseguir garantir um lugar no plantel principal dos campeões nacionais.

Sê o primeiro a comentar: