Portugal
“Nós não festejamos vitórias, festejamos títulos”, diz Conceição
Redação
2021-02-21 14:10:00
Técnico desvaloriza triunfo diante da Juventus e destaca importância de vencer o Marítimo, para fechar ciclo de empates

O FC Porto defronta amanhã o Marítimo, em jogo da 20.ª jornada da I Liga, e tenta encerrar um ciclo de três empates, para o campeonato, tendo em vista a reaproximação para o líder Sporting, que ontem venceu o Portimonense e aumentou a vantagem para 13 pontos, provisoriamente, relativamente aos dragões. 

Sérgio Conceição não pode fugir ao lugar-comum de que “todos os jogos do campeonato são difíceis” e destaca o facto de essa dificuldade aumentar “especialmente contra equipas que necessitam de pontos e que estão em fases complicadas” 

“Nós sabemos que, historicamente, é difícil jogar na Madeira e contra o Marítimo. O relvado não será dos melhores, mas temos de estar preparados para isso e ultrapassar as dificuldades, para vencer um jogo que é extremamente importante para nós”, realçou, em conferência de imprensa que decorreu hoje no Olival.  

Em vésperas de um clássico com o Sporting, marcado para a próxima jornada, Sérgio Conceição afirma que um eventual desaire na Madeira dificultará ao FC Porto “reabrir” as contas da I Liga, no que à luta pelo título diz respeitoO jogo com o Sporting só será importante se ganharmos ao Marítimo. Caso contrário, começa a ficar difícil reabrir o campeonato”, realçou. 

E os números provisórios da liderança do leão não têm cabimento. “Se já tivéssemos jogado e o Sporting ainda não, fariam a pergunta ao Rúben Amorim de que estariam a sete pontos caso tivéssemos ganho. Ainda não jogámos e temos de ganhar”, frisou o técnico.

Esta deslocação à Madeira surge dias depois de um triunfo frente à Juventus, mas o técnico portista lembra que o apuramento para os quartos de final da Liga dos Campeões ainda não está garantido. “Foi uma vitória isolada, porque há outro jogo em Turim para justificar essa boa prestação e festejar uma possível passagem aos quartos de final. Mas nós não festejamos vitórias, festejamos títulos. No plano emocional, o grupo está consciente do momento e do que terá de fazer para ter um trajeto diferente no campeonato”, assinalou. 

A elevada carga de jogos, a que a formação portista tem sido sujeita, durante este mês de fevereiro, merece dois reparos do técnico: o FC Porto tem de estar preparado para um quadro como este e a Liga deve ouvir não só os treinadores como os preparadores físicos e outros profissionais que trabalham junto dos plantéis. 

Como grande clube que somos temos de estar habituados a este ritmo competitivo. Já tive a oportunidade de falar sobre a calendarização. Li agora que a Liga quer promover uma reunião com os treinadores. Mas acho que têm de promover essa reunião, extremamente importante, mas não só com os treinadores: com os preparadores físicos, fisiologistas...”, aconselhou. 

Confrontado com a ‘maldição’ dos Barreiros – estádio onde os dragões sempre tiveram dificuldade em vencer, cenário que mudou com a Sérgio Conceição –, o técnico relativiza e lembra que o passado e as estatísticas de pouco valem, sobretudo para os jogadores.  

“Vocês acham que o Evanilson, o Taremio Francisco, o Felipe Anderson, vão pesquisar os resultados da Madeira de há três, quatro, 10 anos? Isso não cabe na cabeça de ninguém. Cada jogo tem a sua vida. Não faz sentido. Eu não ligo a nada disso. E penso que os jogadores, depois do treino, agarram-se à Playstation e ao Fortnite. A preparação do jogo não tem nada que ver com estatísticas. Tem que ver com o que vamos encontrar e com aquilo que somos como equipa”, afirmou. 

O FC Porto defronta o Marítimo amanhã, a partir das 19h00, e tenta quebrar uma série de três empates consecutivos, na I Liga. Os campeões nacionais empataram com Belenenses SAD (0-0), SC Braga (2-2) e Boavista (2-2) na I Liga, enquanto o Marítimo perdeu nas últimas cinco rondas e viu o treinador Milton Mendes ponderar a demissão no final da partida em Tondela (1-2).

Veja a conferência de imprensa: