Prolongamento
"Não houve funeral do Benfica. O resto é conversa"
2022-03-16 10:20:00
"É preciso dar tempo aos treinadores. As pessoas não sabem esperar", diz João Alves

O Benfica vai colecionando prestígio europeu e vai recheando os cofres com a prestação na Liga dos Campeões, que já valeu cerca de 65 milhões de euros nesta edição da maior prova europeia de clubes. João Alves, figura destacada da história do clube da Luz, mostra-se radiante com aquilo que a turma orientada por Nélson Veríssimo tem vindo a alcançar além fronteiras, apesar de, a nível interno, as coisas não estarem famosas para os lados da Luz.

"Isto deve-nos deixar muito felizes porque somos portugueses", afirmou João Alves, notando que a entrada de Soualiho Meité permitiu ao Benfica deixar de ser "uma equipa perdida". Por outro lado, o 'luvas pretas' referiu que a defesa do Benfica "esteve muito bem", mas voltou a insistir que a colocação de Soualiho Meité no meio-campo emprestou ao Benfica um fator que se viria a revelar "decisivo".

Agora o Benfica está nos quartos de final da Liga dos Campeões e João Alves diz que os benfiquistas têm de estar satisfeitos com a campanha europeia da sua equipa.

"Nos quartos de final da Liga dos Campeões estão as melhores equipas de toda a Europa. E o Benfica está entre elas e o resto é conversa", considerando que o apuramento para uma fase tão adiantada da prova é "importante para todos".

Só que João Alves lembra que o Benfica desde que começou a caminhada europeia tem vindo a lidar com desconfianças várias. "A maior parte das pessoas quando saiu o Ajax ao Benfica, até relembrando o Sporting, perspetivou o funeral do Benfica mas não houve funeral nenhum. Houve uma grande festa."

João Alves entende também que é preciso continuar a trabalhar de forma concentrada e forte, dando tempo a Nélson Veríssimo para mostrar o que vale.

"É preciso dar tempo aos treinadores. As pessoas não sabem esperar", apontou João Alves que, em declarações na RTP 3 fez questão de lembrar que Nélson Veríssimo assumiu a equipa principal numa situação "caótica da própria equipa".

Além disso, João Alves destaca a forma como Nélson Veríssimo devolveu o Benfica ao sistema de quatro defesas, que não se verificava nos últimos tempos com Jorge Jesus que colocou o Benfica num sistema de três defesas.

"Esta é uma maneira de joga que se identifica com o Benfica. O Benfica tem uma matriz e fez a sua consagração num sistema de jogo com quatro defesas".

A concluir, João Alves vaticinou ainda que este Benfica deve manter-se fiel aos seus princípios pois esta equipa "tem pernas para andar".

Veja alguns momentos da festa encarnada em Amesterdão.