Prolongamento
"Velha tese falsa de que há uma justiça no Norte e outra no Sul do país"
2022-06-06 11:35:00
Opinião de deputado gera indignação no FC Porto

Um artigo de opinião de António Galamba, deputado do PS, gerou indignação por parte do porta-voz do FC Porto, Francisco J. Marques, que diz não concordar com aqueles que consideram que existe uma Justiça no país a duas velocidades distintas. A propósito de referências à Justiça no desporto feita num artigo de opinião que António Galamba assina no jornal i, sem nunca mencionar o nome do FC Porto, Francisco J. Marques não deixa sem resposta o deputado e diz que é "falsa" essa questão de que a Justiça a Norte seja diferente da Justiça no Sul do país.

O porta-voz dos azuis e brancos Francisco J. Marques diz que essa é uma "velha tese" e "falsa" quando se diz que "há uma justiça no norte e outra no sul do país". Para Francisco J. Marques, trata-se de uma "forma de dar palha a gente como ele, que não pretende a verdade, mas a mentira que em cada momento lhe é útil". "O país não precisa de gente desta e cá estaremos para lhe destapar a careca", avisou o porta-voz do FC Porto, apontando para referências na história do futebol nacional.

O responsável pela Informação e Comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, diz que este artigo de opinião saiu "no dia em que faz cinco anos do início das divulgações que acabaram com o maior esquema de controlo do futebol português".

Falando em um "miserável caldo de cultura do futebol", o deputado António Galamba lamenta as "complacências várias" com as quais "vai-se alimentando um caldo de cultura de ausência de limites, em que nada incentiva a que as coisas sejam feitas com senso, equilíbrio e urbanidade."

António Galamba lamenta, por exemplo, que Fernando Santos se tenha permitido a convocar jogadores que proferiram expressões e cânticos ofensivos.

Ainda sem que refira nomes, fica a alusão aos cânticos e expressões usadas contra o Benfica durante as comemorações do título do FC Porto por parte de Otávio e Diogo Costa, internacionais portugueses.

"Como é possível permitir-se que um selecionado nacional continue sem se retratar dos insultos gratuitos balbuciados a uma instituição desportiva?", pergunta António Galamba no i.

Sem nunca referir o nome do FC Porto, o deputado prossegue com outras considerações, nomeadamente, diz como é que "persistam, sem pena, as invasões de centros de estágios de árbitros".

António Galamba também não compreende outras situações. "As agressões a operadores de câmara e outras realidades que sinalizam padrões para o país evidenciando que há partes do território nacional em que o Estado de Direito não existe?"