Prolongamento
"Se existisse VAR há 20 ou 30 anos atrás, o Sporting tinha mais campeonatos"
2021-12-27 11:20:00
"Pena que o VAR não tenha vindo há mais tempo", lamenta ex-capitão do Sporting

O futebol português foi um dos precursores na introdução do sistema de videoarbitragem, que funciona no apoio às decisões tomadas em campo pelos árbitros no campeonato nacional. Desde há várias épocas a esta parte, o sistema de videoárbitro (VAR) tem sido uma ferramenta utilizada não apenas no campeonato português mas também em outras competições internas, sendo que foi também alargado a outras provas internacionais e outras ligas sob tutela de outros organismos como a FIFA e a UEFA.

Em 2017, a Federação Portuguesa de Futebol entendeu introduzir o mecanismo de apoio às decisões das equipas de arbitragem com a implementação do sistema de videoárbitro. De então para cá, é certo que as críticas às decisões mantiveram-se, com interpretações várias e variadas a respeito de lances ocorridos em campo. No entanto, o sistema já se fixou e os responsáveis pelo futebol nacional asseguram que estará para durar.

Em Alvalade, é com agrado que se tem acompanhado a introdução e crescimento do VAR. Ainda recentemente, o Sporting atingiu a próxima fase da Taça de Portugal na sequência de uma decisão validada de golo por parte do VAR, uma vez que existiam dúvidas relativamente ao facto de a bola ter ou não ultrapassado a linha de golo.

Com recurso à tecnologia e visionadas as imagens pelo VAR, o golo leonino foi validado e, com ele, a formação orientada por Rúben Amorim, atual campeã nacional, avança na Prova Rainha.

Carlos Xavier, antigo capitão do Sporting, mostra-se agradado com a tecnologia do videoárbitro e até acredita que se este existisse há mais tempo no futebol português, a turma de Alvalade poderia ter mais campeonatos nacionais conquistados.

"Infelizmente, o VAR existe há pouco tempo. Se o VAR tem existido há 20 anos ou 30 anos atrás o Sporting tinha muitos mais campeonatos conquistados", acredita Carlos Xavier.

"Pena que o VAR não tenha vindo há mais tempo", insistiu o antigo capitão verde e branco, lamentando, contudo, que nas instâncias desportivas o clube de Alvalade 'não tenha peso'.

"Continuamos a não ter muito peso em termos da comissão disciplinar, mas pronto", lamentou Carlos Xavier, por causa dos dois jogos de castigo aplicados a Luís Neto, pela expulsão em Barcelos, que já mereceram críticas e comparações por parte do porta-voz do Sporting Miguel Braga. "Agressão de Uribe, mais grave, valeu um jogo de suspensão", estranhou Sporting.

O jogador continua ausente das opções de Rúben Amorim para cumprir castigo e Carlos Xavier lamenta que o central português tenha esta sanção. "O Neto teve de ser castigado, foi mais pelo gesto, admito que tem de ser castigado. Agora, um jogo no máximo. Dois jogos não faz sentido".

Na crítica que prestou, o antigo atleta Carlos Xavier disse ainda que, aos olhos das arbitragens, em Portugal, "uns são filhos da mãe e outros são filhos do pai."

Mesmo assim, a confiança do leão não sai abalada e, em declarações na Sporting TV, o antigo capitão verde e branco salientou também que quem vê este Sporting a jogar percebe que a equipa orientada por Rúben Amorim está entusiasmada.

"A equipa respira confiança", disse Carlos Xavier, em reação aos 15 triunfos consecutivos que o leão soma em provas nacionais, avisando que o campeão nacional não vai 'tremer'.

"Estamos cá para durar e muito", vaticinou Carlos Xavier, voltando a falar no sistema de videoárbitro, que entrou em vigor há algumas temporadas atrás no futebol português. "Infelizmente, o VAR chegou muito atrasado".