Prolongamento
"Rui Pinto chamou a polícia e é acusado de entrar na casa sem tocar à campainha"
2021-05-13 17:05:00
Paulo de Morais destaca papel do Football Leaks no combate à corrupção, "o maior problema de Portugal"

Paulo de Morais, antigo vice-presidente da Transparência e Integridade Associação Cívica (TIAC) e ex-candidato à Presidência da República, defendeu a importância das revelações feitas por Rui Pinto através do Football Leaks, lamentando que o informático esteja perante a justiça por denunciar suspeitas de crimes.

“O Rui Pinto ouviu barulho, entrou na casa, garantiu a segurança da família, chamou a polícia e no fim acaba por ser acusado de entrar na casa sem tocar à campainha”, afirmou o professor universário, durante a 42.ª sessão do julgamento do Football Leaks, no Juízo Central Criminal, no Campus de Justiça, em Lisboa.

Na sequência desta comparação, a advogada da Doyen, Sofia Ribeiro Branco, perguntou a Paulo de Morais se seria capaz de arrombar ilegalmente as fechaduras todas de uma rua para apurar se havia alguma casa a ser assaltada. “e no andar eu moro ouvisse barulho, eu ia bater às portas para saber se estava tudo bem”, respondeu.

Paulo de Morais elogiou o trabalho de Rui Pinto no combate a crimes como a corrupção, que considerou “o maior problema” da nossa sociedade. “Eu denuncio e tento combater, porque entendo que a corrupção é o maior problema de Portugal. Uma parte do meu tempo não profissional é dedicado a isso. Quanto mais corruptos são os países, menos desenvolvidos são. Por isso a corrupção tem que ser militantemente combatida”, frisou.

O professor universitário e investigador defendeu que as informações publicadas no Football Leaks “são de enorme interesse público, nacional e internacional”, pois revelaram “um conjunto de casos de corrupção, desvio e maus gastos de dinheiros públicos”. “É do maior interesse público e admiro-o muito por isso, tal como admiro todos os que denunciam casos que lesem o interesse público”, reforçou.

O antigo vice-presidente da Câmara Municipal do Porto afirmou ainda que, perante a gravidade dos possíveis crimes revelados por Rui Pinto, este não devia estar a responder em tribunal por crimes como acesso ilegítimo e violação de segredo, tanto mais que tem estado a colaborar com as autoridades de vários países, incluindo a nossa Polícia Judiciária, na investigação de casos revelados pelo Football Leaks.