Prolongamento
Ronaldo é a mais recente das personalidades mundiais infetadas
2020-10-13 18:05:00
Desportistas, políticos e artistas acusam positivo à covid-19

Várias personalidades mundiais foram infetadas com o novo coronavírus, como o futebolista português Cristiano Ronaldo, cujo teste positivo à covid-19 foi hoje anunciado.

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, a 02 de outubro, que tinha testado positivo para a covid-19, assim como a sua mulher Melania. Dez dias depois, o Presidente retomou a campanha presidencial, considerando-se “imune” ao novo coronavírus.

O Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, anunciou a sua contaminação a 07 de julho, depois de ter minimizado muitas vezes a gravidade da pandemia, andou de moto e falou sem máscara a trabalhadores, embora ainda estivesse infetado.

Depois de uma semana nos cuidados intensivos e duas semanas de recuperação, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, voltou ao trabalho no final de abril.

O ex-chefe do governo italiano Silvio Berlusconi foi hospitalizado por 10 dias no início de setembro.

O príncipe Carlos, herdeiro da coroa britânica, e o príncipe Alberto II, do Mónaco, sofreram apenas sintomas leves.

A estrela ‘pop’ Madonna anunciou a 07 de maio o teste positivo à covid-19.

O ator norte-americano Tom Hanks e a mulher Rita Wilson estiveram em quarentena na Austrália durante duas semanas em março. O compatriota Dwayne Johnson, conhecido por “The Rock”, e a sua família foram infetados no início de setembro.

Depois de curado, o ator britânico Idris Elba anunciou, em 31 de março, o fim da sua quarentena.

O tenor espanhol Plácido Domingo teve alta hospitalar em 30 de março, enquanto o tenor italiano Andrea Bocelli afirmou ter estado doente de forma moderada em março.

Lenda viva do cinema indiano Amitabh Bachchan foi hospitalizado por três semanas, enquanto a sua enteada, Aishwarya Rai, superestrela de Bollywood e ex-Miss Mundo, também testou positivo.

A cantora britânica Marianne Faithfull foi hospitalizada por três semanas em abril.

Antes do ‘capitão’ da seleção nacional, Cristiano Ronaldo, várias estrelas do futebol testaram positivo, incluindo Blaise Matuidi, Xavi Hernández, Samuel Umtiti, Zlatan Ibrahimovic, Kylian Mbappé, Angel di Maria, Neymar, Steve Mandanda, Paul Pogba, entre vários outros.

Também a liga norte-americana de basquetebol foi afetada, especialmente com os casos de Rudy Gobert, Donovan Mitchell, Nikola Jokic, Russel Westbrook, além de outros basquetebolistas.

O número um do ténis mundial, Novak Djokovic, revelou estar infetado a 23 de junho. O francês Benoit Paire, o japonês Kei Nishikori e o espanhol Franco Verdasco também contraíram covid-19.

Vários ciclistas, como o holandês Steven Kruijswijk e o britânico Simon Yates, tiveram que abandonar a Volta a Itália nos últimos dias, depois de testarem positivo.

A lenda do boxe do Panamá Roberto Duran teve alta hospitalar a 03 de julho.

O antigo rei dos 100, 200 e estafeta de 100 metros planos Usain Bolt testou positivo, embora assintomático.

Várias personalidades morreram devido à pandemia, como o mais famoso estilista japonês, Kenzo, que morreu a 04 de outubro, aos 81 anos.

O saxofonista camaronês Manu Dibango, de 86 anos, e o dramaturgo Terrence McNally, de 81 anos, foram as primeiras figuras internacionais a morrer devido à doença, a 24 de março.

O senegalês Pape Diouf, de 68 anos, antigo dirigente do clube de futebol francês Marselha, morreu a 31 de março.

Em abril, faleceu o saxofonista norte-americano Lee Konitz, de 92 anos, o escritor chileno Luis Sepúlveda, (70 anos), Sergio Rossi (85 anos), fundador da marca italiana de calçado de luxo homónima, os músicos norte-americanos Ellis Marsalis (85 anos) e John Prine (73 anos).

O chefe indígena Paulinho Paiakan, um dos mais fervorosos defensores da floresta da Amazónia, morreu a 17 de junho.