Prolongamento
"Pela primeira vez em 40 anos, o poder político não se vergou a Pinto da Costa"
2022-05-11 11:40:00
Marcelo e António Costa estão "concertados", refere antigo dirigente do Sporting

O FC Porto foi campeão e muitas foram as felicitações recebidas por Pinto da Costa. Porém, o presidente do FC Porto já veio a público lamentar o silêncio das mais altas figuras do Estado em relação aos dirigentes azuis e brancos. O líder dos portistas criticou a ausência de felicitações diretas aos dirigentes do FC Porto quer de Marcelo Rebelo de Sousa quer de António Costa.

"Do Presidente da República não recebi nada. Do Governo recebi através de um outro diretor, do secretário de Estado do Desporto [João Paulo Correia], que mandou os parabéns. De resto, não recebi nada. Aliás, o senhor primeiro-ministro teve o cuidado de felicitar o FC Porto, os treinadores, os atletas e os adeptos, e teve o cuidado de pôr de parte os dirigentes", afirmou Pinto da Costa, em declarações no Porto Canal, onde lamentou esta situação.

"Como presidente, considero que fui propositadamente excluído, o que não me faz diferença nenhuma", reconheceu o máximo dirigente dos portistas.

Carlos Barbosa da Cruz, antigo dirigente do Sporting, nota que houve uma atitude articulada entre Presidente da República e primeiro-ministro no silêncio em relação a Pinto da Costa.

"O primeiro-ministro é um político sagaz que não dá ponto sem nó e o Presidente da República é aquela pessoa esfuziante que conhecemos, pródiga nos afetos", assinalou o antigo dirigente do clube de Alvalade.

Por conseguinte, Carlos Barbosa da Cruz entende que Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa estão "concertados", mas o ex-dirigente dos leões não acredita que seja qualquer tipo de "sobranceria centralista".

"Acho que o fizeram intencionalmente com im propósito claro de demarcação", defendeu o advogado, apontado para a investigação que Pinto da Costa está a ser alvo no âmbito do processo 'Prolongamento'.

Carlos Barbosa da Cruz referiu ainda que "o mundo mudou mas Pinto da Costa ainda não percebeu", pelo que, a seu ver, o líder dos azuis e brancos "continua agarrado aos esteriótipos dos anos 80."

Ao notar este silêncio do poder político em relação a Pinto da Costa na hora dos festejos de um título, Carlos Barbosa da Cruz relata, no jornal Record, que nota uma posição do poder político para com o líder dos azuis e brancos.

"Pela primeira vez em quarenta anos, o poder político não se vergou a Pinto da Costa", destacou Carlos Barbosa da Cruz esperando que a justiça possa mostrar trabalho em breve.

É que, lembra o advogado e ex-dirigente do clube de Alvalade, há vários meses que não são conhecidos desenvolvimentos a respeito do processo 'Prolongamento'. "Este silêncio de quase seis meses, presta-se a todas as especulações".