Prolongamento
Para descobrir Rui Pinto, presidente da Doyen queria "ouvir cantar" Aníbal Pinto
Redação
2021-04-14 16:45:00
Encontro na A5 para tentar descobrir responsável pelo Football Leaks foi tema em nova sessão de julgamento

Inspetor-chefe da Polícia Judiciária (PJ), Rogério Bravo, compareceu em tribunal para prestar declarações no âmbito do processo Football Leaks e foi aí que, de acordo com a Tribuna Expresso, foram conhecidas algumas revelações sobre o processo contra Rui Pinto, entre as quais, um encontro que Nélio Lucas, presidente da Doyen, tentou agendar com a PJ para tentar descobrir a identidade do responsável pelo Football Leaks, através de Aníbal Pinto, isto numa altura em que Rui Pinto se encondia atrás de um nome fictício: Artem Lobuzov.

A ideia passou por tentar 'apanhar' Aníbal Pinto na autoestrada, num encontro que serviria para o "ouvir cantar" e assim chegar à identidade do responsável que estava nos bastidores do Football Leaks, corria o ano de 2015 e Rui Pinto ainda não era uma figura conhecida.

A ideia passaria por tentar perceber nesse encontro, monitorizado pelas autoridades, a identidade do responsável pelo Football Leaks. Era "o ponto mais sólido para chegar ao verdadeiro artista", defendia Nélio Lucas no email enviado à PJ, segundo cita a Tribuna Expresso. E Rogério Bravo diz que compreendia o objetivo de Nélio Lucas.

Porém, no Tribunal Central de Instrução Criminal, em Lisboa, na presença da presidente do coletivo de juízes, Margarida Alves, quando confrontado com esta situação, Rogério Bravo negou ter tido conhecimento desse email, destacando que o recebeu em cópia. "Não sei o que é isso. Nem me lembro de o ter recebido, estava em cópia", afirmou o inspetor da PJ, concordando compreender a posição de Nélio Lucas, pois tratava-se de "alguém que queria identificar a fonte da informação (divulgada na internet) e responsabilizá-la".

Rogério Bravo admitiu, porém, que acabou por assistir ao encontro com Aníbal Pinto, que se realizou na autoestrada número 5, tendo Nélio Lucas sido acompanhado pelo advogado Pedro Henriques.

Rui Pinto, criador do Football Leaks, está nesta altura em liberdade desde  o dia 7 de agosto. Na base da libertação do arguido no processo judicial está a "sua colaboração” com a Polícia Judiciária e ao seu “sentido crítico”. Porém, como se sabe, Rui Pinto encontra-se com paradeiro incerto por questões de segurança, sendo vigiado pelas autoridades que o têm num programa de proteção de testemunhas.