Prolongamento
"O grande problema do Benfica não é o Weigl"
2022-06-23 10:35:00
"O Benfica este ano vai ser uma equipa de reação rápida à perda de bola", antecipa treinador Jorge Castelo

O Benfica arranca a pré-temporada com renovadas esperanças de que seja Roger Schmidt a devolver a glória aos encarnados que há várias épocas estão arredados das conquistas. Rui Costa e a restante administração decidiram apostar numa equipa técnica estrangeira, cortando com a tradição recente de apostar em treinadores portugueses.

Jorge Castelo, antigo adjunto do Benfica e professor do curso de treinadores, antevê dias de enorme confiança, para já, nas estratégias e metodologias do técnico germânico que treinou nas últimas épocas o PSV. "Eu garanto em absoluto que todos vão dizer maravilhas do Roger Schmidt. Todos os jogadores vão dizer. Exercícios fantásticos, ideias fantásticas."

Além disso, o antigo adjunto das águias sublinha que se vão começar a ouvir elogios por parte dos jogadores após as sessões de treino.

"Estamos todos cansados mas todos com alto compromisso. Mas nós sabemos que daqui a dois meses alguns sairão do clube e começa a sentir-se aquilo que o Benfica pretende em termos de objetivos", avaliou Jorge Castelo.

Por outro lado, e numa altura em que Weigl é associado a clubes da Bundesliga, o treinador sustenta que será importante para o Benfica definir o quanto antes o plantel e realça que o alemão Weigl não é "o problema" nesta fase.

"O grande problema do Benfica não é o Weigl. O grande problema do Benfica não é o Weigl. Quando nós olhamos para os jogadores que poderão preencher o meio-campo levantamos algumas questões. O João Mário é um jogador intenso? É um jogador que vai dar intensidade após a perda da posse de bola?", questionou Jorge Castelo.

Certo de que o Benfica será uma equipa de "ataque", o treinador prevê que essa será a palavra mais usada por Roger Schmidt. Dentro daquilo que conhece das metodologias do alemão, Jorge Castelo antecipa um Benfica a "atacar a baliza quando tiver bola e a atacar a bola quando não a tiver".

"O Benfica este ano vai ser uma equipa de reação rápida à perda de bola. Isso aí garanto-vos. Ou seja, quando perder a posse de bola vai atacar a bola", prevê Jorge Castelo.

Em declarações no canal de televisão A Bola TV, Jorge Castelo referiu ainda que o plantel terá de ter disponibilidade para desempenhar as tarefas que Roger Schmidt pretende no campo.

"A equipa vai ter de se disponibilizar e sacrificar e ter a confiança suficiente para recuperar a bola o mais rápido possível", concluiu Jorge Castelo na previsão ao que poderá ser o Benfica na versão 2022/23 com Roger Schmidt no comando técnico.