Prolongamento
Francisco J. Marques acusa Ricardo Costa de lançar “intifada” contra FC Porto
2020-08-08 21:05:00
Diretor de comunicação portista ataca “politica editorial” do Expresso e Impresa

O diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, socorreu-se do Twitter para atacar Ricardo Costa, diretor de informação da SIC e Impresa, e a “politica editorial” do Expresso.

Fazendo alusão a um artigo deste sábado do Expresso, que deu destaque a Artur Soares, ao invés do clube portista, no “tóxico futebol português, cheio de intrigas e golpes baixos”, o responsável pela comunicação do FC Porto critica o facto de que quando ganha, “o futebol português não presta”.

Francisco J. Marques aponta que isto não é uma exceção e que é a “politica editorial do Expresso e Impresa”.

“O problema é que isto não se resume à opinião do Martim Silva, isto é a política editorial do Expresso e da Impresa. A conquista de campeonato e Taça pelo FC Porto mereceu do Expresso meia coluna e três linhas de outra. Deve ser para poupar a Amazónia e não gastar muito papel”, escreveu Francisco J. Marques.

Ao mesmo tempo, o dirigente estabeleceu uma comparação com a conquista do título por parte do Benfica em 2018/19, que mereceu “um suplemento de 84 páginas, sem discursos tóxicos, truques ou intrigas” e que deu plano de destaque a Bruno Lage.

Como tal, Francisco J. Marques acusa Ricardo Costa de lançar uma “infitada” contra o FC Porto.

“Esta Intifada contra o FC Porto foi lançada por Ricardo Costa, diretor da SIC, que se veio lamentar do controlo dos departamentos de comunicação sobre os jogadores e treinadores, procurando atirar para outros a responsabilidade das próprias decisões”, atirou, acrescentando que a SIC não fez qualquer pedido de reportagem ao FC Porto no dia 15 de julho.

Francisco J. Marques lamenta que os critérios do Expresso estejam “muito longe da tradição de imparcialidade a que nos habituou”, mas que é contra esta hipocrisia que o FC Porto luta.

Por fim, o diretor portista indica que Martim Silva não tenha invocado o “futebol tóxico” quando se soube de uma série de casos.

“O que é estranho é que Martim Silva não tenha invocado o futebol tóxico e cheio de truques e intrigas quando se soube de uma série de falcatruas, algumas desvendadas pelo próprio Expresso e que desencadearam várias investigações que ainda decorrem”, finalizou.