Prolongamento
"É estranhíssimo que o FC Porto não faça negócios como os outros clubes"
2021-08-13 12:35:00
"A lógica até nos pode andar a escapar", comenta Rita Garcia Pereira, ex-dirigente do Sporting

Entre os favoritos como sempre à conquista do campeonato nacional, o FC Porto aborda a nova temporada com a contenção de custos que tem sido habitual nos últimos anos por força das dificuldades financeiras que a SAD azul e branca tem vindo a enfrentar. O dinheiro não abunda na carteira dos portugueses nem nos cofres dos clubes de futebol.

A lógica tem sido contratar sobretudo no mercado interno e, lá por fora, só jogadores com qualidade garantida para, desse modo, minimizar um eventual impacto negativo de uma adaptação falhada ou algo semelhante. E se a abordagem nas contratações tem tido muitas cautelas, no que toca a saídas têm sido várias a custo zero. Nos últimos anos, vários têm sido os jogadores fundamentais que a SAD azul e branca tem vindo a deixar escapar, como são os casos de Héctor Herrera, Yacine Brahimi, Iván Marcano, que voltaria um ano depois de sair como jogador livre para a AS Roma, ou mais recentemente Moussa Marega, que também terminou contrato e não renovou.

Porém, diga-se, a administração liderada por Pinto da Costa tem alcançado também recentes renovações de vínculo com figuras como são os casos do treinador Sérgio Conceição ou dos jogadores Otávio e Sérgio Oliveira, que estavam em fim de contrato mas permanecem na Invicta, após prolongamento dos respetivos vínculos.

A juntar a estes processos de gestão e na lógica financeira, importa referir que o FC Porto tem vindo a realizar participações na Liga dos Campeões significativas, e com o correspondente encaixe financeiro que tais campanhas representam. Ainda assim, as dificuldades financeiras permanecem, associando-se também a falta de receitas provocada, ultimamente, pela pandemia que retirou gente dos estádios.

Ora, na CMTV, ao falar dos negócios que o FC Porto tem vindo a realizar e da possível saída de Corona, Rita Garcia Pereira, antiga dirigente do Sporting, assume olhar com admiração para a gestão portista.

"Outros clubes portugueses têm o mesmo tipo de gestão do FC Porto e conseguem fazer melhores negócios", comentou a antiga dirigente dos leões, sustentando que "isto tem só que ver com o tipo de gestão", "tem que ver com questões jurídicas".

"Por outro lado, tem que ver com as opções da dita gestão. A lógica até nos pode andar a escapar", observou, acrescentando que encara com admiração os negócios dos azuis e brancos.

"É estranhíssimo que o FC Porto não consiga, mesmo campeão, fazer os negócios que os outros clubes fazem", comentou Rita Garcia Pereira, na CMTV, deixando claro que isto, a seu ver, nada tem que ver com "investidores privados ou não".

O FC Porto avança para a nova temporada na tentativa de reconquistar o título de campeão nacional que lhe escapou na última temporada, ficando em Alvalade.