Prolongamento
"É esta a luta contra a corrupção de que se vangloria Fernando Gomes?"
2020-11-16 15:35:00
Rui Pinto lança críticas ao presidente da FPF

Rui Pinto prossegue com comentários nas redes sociais onde questiona algumas das atividades ligadas ao futebol, nomeadamente no que respeita ao agenciamento de jogadores.

Já depois de lamentar que, em seu entender, há empresários de jogadores a violar reiteradamente uma lei de 1998, o criador da plataforma Football Leaks 'voltou à carga' e apontou críticas a Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

"E o buraco legal que permite a acionistas maioritários de uma SAD, fazer intermediação na transferência de jogadores?", questiona Rui Pinto, perguntando ainda se "é esta a luta contra a corrupção de que se vangloria Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol?"

Recorde-se que na semana passada, Fernando Gomes testemunhou no âmbito do julgamento de Rui Pinto e repudiou em tribunal a divulgação obtida de forma ilícita de documentos pelo Football Leaks, apesar de admitir um possível contributo da plataforma eletrónica para uma maior transparência no futebol.

“Essa informação obtida de forma ilegal não deveria ter sido divulgada. Ponto. Se de uma perspetiva global essa informação possa ter sido entendida [para uma maior verdade desportiva], tenho de admitir que possa ter tido alguma influência nesse sentido”, afirmou o líder federativo, na audição efetuada na 23.ª sessão do julgamento do processo, a decorrer no Tribunal Central Criminal de Lisboa.

O presidente da FPF queixou-se ainda de ser invadido por “um sentimento de enorme desconforto” pela existência de acessos ilegítimos: “Não podemos deixar de estar desconfortáveis, é como se a nossa casa estivesse a ser roubada. A FPF deve preservar e não partilhar a informação que tem à sua guarda.”

Nos últimos dias, Rui Pinto tem estado particularmente ativo nas redes sociais a comentar assuntos relacionados com o futebol português, nomeadamente as buscas realizadas na última semana a alguns clubes de futebol por parte das autoridades judiciais.

Com ironia, o criador do Football Leaks registou que ainda se iria ver César Boaventura e outros “com camisolas do Sporting vestidas”, para “desviar as atenções” das buscas realizadas na semana passada (envolvendo clubes como Benfica, Sporting, Santa Clara e Académica).

O empresário de futebol, que foi alvo de buscas por parte das autoridades na semana passada também, retaliou dizendo que “um bandido será sempre um bandido”.

Rui Pinto encontra-se em liberdade enquanto enfrenta o julgamento no caso Doyen. O julgamento prossegue agora no próximo dia 18 com a audição de José Luís Cristóvão, especialista informático da PJ, e as testemunhas dos assistentes do processo João Medeiros e Inês Almeida Costa.

Rui Pinto, de 32 anos, responde por um total de 90 crimes: 68 de acesso indevido, 14 de violação de correspondência, seis de acesso ilegítimo, visando entidades como o Sporting, a Doyen, a sociedade de advogados PLMJ, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Procuradoria-Geral da República (PGR), e ainda por sabotagem informática à SAD do Sporting e por extorsão, na forma tentada. Este último crime diz respeito à Doyen e foi o que levou também à pronúncia do advogado Aníbal Pinto.