Prolongamento
Ana Gomes lamenta prioridades de Costa em eleições "para clubes de futebol"
Redação
2020-09-17 11:25:00
Candidata à Presidência da República lamenta posição do secretário-geral do PS

Ana Gomes revela que avança para a corrida à Presidência da República por sentir a necessidade de participar no debate político mas também com a ambição de vencer.

A antiga eurodeputada deixa implícita uma crítica ao apoio recente que António Costa deu a Luís Filipe Vieira, dizendo que, para si, as eleições para a Presidência da República têm maior importância que outro tipo de eleições.

"As eleições para um órgão como a Presidência da República não podem ser desprezadas e colocadas atrás de umas eleições para um clube de futebol. Um grande partido como o PS não pode furtar-se ao debate para o país", realçou, dizendo que os socialistas devem ir a jogo e ter um candidato às eleições para Belém ou apoiarem um candidato da sua área política.

Em entrevista à RTP, a antiga eurodeputada socialista confirmou também que nota na sociedade portuguesa a necessidade de se reverem padrões.

"O sentimento da maioria dos portugueses é que há uma perversão do sentido do serviço público", afirmou Ana Gomes.

Na corrida a Belém, a socialista deverá ter a concorrência de Marcelo, que ainda não confirmou, porém, a sua candidatura.

Mas num momento de "tremendos desafios", Ana Gomes lamenta que, em pleno exercício das suas funções, Marcelo Rebelo de Sousa opte por uma abordagem diferente nas suas aparições públicas.

"Vemos o Presidente da República a falar das questões do superficial e não dos interesses estratégicos do país, que importa identificar."

E para Marcelo Rebelo de Sousa sobram ainda críticas pela forma como não se descolou do apoio dado por António Costa à recandidatura a Belém.

"Eu jamais teria tolerado, com sorriso cúmplice, que um primeiro-ministro lançasse a minha recandidatura."

Ativista contra a corrupção, Ana Gomes explicou depois na entrevista a Vítor Gonçalves que, para si, corrupção é "desviar dinheiro dos hospitais, da escola pública, das forças armadas".