Portugal
“Visão estratégica do Benfica anda em ziguezagues”
Redação
2021-05-13 15:45:00
Toni afirma que Gonçalo Ramos teve “uma época perdida” por falta de "espaço" no plantel

O jovem avançado Gonçalo Ramos esteve em destaque na vitória sobre o Nacional, com dois golos, voltando a colocar em cima da mesa a questão da aposta na formação por parte do Benfica, numa altura em que o rival Sporting está a ser alvo de elogios por vencer o campeonato com vários elementos ‘criados’ no clube.

Na quarta-feira, Domingos Soares de Oliveira, administrador da SAD do Benfica, defendeu que o clube não deixou de apostar na formação, numa temporada em que fez um forte investimento em jogadores estrangeiros. A contratação de Darwin, o reforço mais caro na história encarnada, foi justificada pelo dirigente como estando dentro dessa lógica formativa.

“Estava a falar com o nosso treinador [Jorge Jesus] e ele dizia-me: ‘Veja bem o que nós apostamos na formação’. A nossa reação, muitas vezes, é de que apostamos muito pouco. Mas não é só na nossa formação. E o Darwin é um exemplo. Há jogadores muito jovens no plantel do Benfica que ainda estão num processo formativo. Este papel que podemos ter do ponto de vista de desenvolvimento de jogadores – se puderem ser formados no Benfica, ótimo, mas se vierem de fora não há pecado nisso – é algo que temos de fazer”, afirmou Domingos Soares de Oliveira, em declarações ao canal 11.

Este discurso ‘oficial’ surpreendeu Toni, antigo treinador e jogador do Benfica, agora comentador do mesmo canal. Para ‘formar’ Darwin, que custou 24 milhões de euros, o Benfica ‘tapou’ a evolução de Gonçalo Ramos, internacional sub-21 que chegou ao clube em 2014 e que foi publicamente elogiado por Jorge Jesus após o ‘bis’ frente ao Nacional, para a 32.ª jornada.

“Acaba por ser uma época perdida do Gonçalo Ramos. Ele tem um espaço onde evoluiu, que foi a equipa B. No final da época passada, aparece e faz uns golos. Depois sai para treinar [com o plantel principal] e agora surge a espaços”, sustentou Toni, numa reação às declarações de Domingos Soares de Oliveira, durante o programa ‘Futebol Total’.

O administrador da SAD do Benfica apontou a formação como “parte do modelo estratégico” do emblema da águia, mas Toni tem outra visão, lembrando o ‘desaparecimento’ de promessas do Seixal como Gedson, Ferro e Florentino. “Esta visão estratégica que o Benfica tem anda em ziguezagues. Se há dois anos, com Bruno Lage, há uma base que acabou por ser o suporte do Benfica que chegou a campeão, não se pode desperdiçar da maneira como se desperdiçou”, reforçou.

Lenda viva do Benfica, Toni apontou a formação do plantel para esta temporada como outra ‘prova’ desses “ziguezagues” da estratégia encarnada, considerando que não houve cuidado em garantir esse espaço para que os jovens da formação, em particular Gonçalo Ramos, pudessem vir a ter tempo de jogo: “Na construção de um plantel tem de espaço para que se possa vir a apostar, em função também daquilo que é o rendimento no treino, para que tenham hipótese de poder jogar”.

Gonçalo Ramos, de 19 anos, soma 11 jogos e 11 golos pelo Benfica B (só em duas partidas não completou os 90 minutos), com 934 minutos em campo, e 12 jogos e quatro golos (dois na I Liga e dois na Taça de Portugal) pela equipa principal do Benfica, na qual regista 378 minutos em campo, segundo dados do portal especializado Transfermarkt.