Portugal
“Vieira assusta o FC Porto e o Sporting”, diz Capristano
Redação
2020-10-30 11:25:00
Antigo dirigente critica comentários sobre presidente do Benfica e fala de “um homem perseguido” pela comunicação social

José Manuel Capristano congratula-se com a “vitória clara” de Luís Filipe Vieira nas eleições, o que não surpreende, visto que já manifestara apoio ao atual presidente, mas lamenta as interpretações aos números desse triunfo eleitoral – num debate onde se discutiram eventuais fraturas no universo encarnado.

“Não obstante os números evidentes do meu presidente, continuam a malhar em ferro frio. Luís Filipe Vieira assusta os clubes adversários: o FC Porto e o Sporting”, desabafou o antigo dirigente encarnado, na Liga D’Ouro, onde se discutiu o ato eleitoral do clube da Luz.

“O Benfica está de parabéns. A organização das eleições foi perfeita. Vieira ganhou em todas as idades, em tudo quanto é sítio e contra tudo e contra todos” defendeu.

Mas José Manuel Capristano não quis deixar de fora da sua análise o cenário com que o presidente do Benfica se debateu, nos últimos tempos, nos espaços de comentário e na comunicação social.

“Luís Filipe Vieira foi perseguido por muitos comentadores, por muitas televisões e por muitos jornais. Ainda hoje saiu revista uma coisa em primeira página que é de bradar aos céus… Nem no dia a seguir às eleições conseguiram ter calma. É um homem fustigado, perseguido. E é o grande vencedor da noite. Vieira foi perseguido, na comunicação social. Todos os dias. A fotografia dele apareceu todos os dias nos jornais. Foi prejudicado nas eleições”, concretizou.

Num comentário à tarja colocada ontem no Estádio da Luz, onde se pode ler “contem os votos”, José Manuel Capristano fala em “dois zés-ninguém”: “Isto é uma não notícia. Ter ali um pano a dizer ‘contem os votos’… Então se Noronha Lopes e Rui Gomes da Silva nem pediram recontagem, é um zé-ninguém que vai ali pôr um pano que merece comentário? Em vez de porem aquelas tarjas, peçam. Aquilo é para inglês ver…”.

O antigo dirigente entende que estas manifestações de adeptos, bem como o mediatismo que geram, são um sinal de o presidente do Benfica não vai ter sossego, mesmo depois de uma vitória destacada nas eleições.

“Nem sequer depois de uma vitória dele, esmagadora, nem assim deixam o homem em paz… É uma coisa aflitiva. E já vi que vai continuar”, lamentou.

Ainda sobre os resultados das eleições, o antigo vice-presidente do Benfica não aceita que se levantem dúvidas quanto à clareza do triunfo de Vieira.

“O que é a Democracia? É, numa eleição, ter 50 por cento mais um. Então alguém pode vir com a conversa de que há um terço dos benfiquistas contra o Luís Filipe Vieira? Se assim é, há dois terços que estão ao lado dele”, defendeu.

Em resposta à opinião de Carlos Barbosa da Cruz, antigo dirigente do Sporting que lembrou que há um sinal de descontentamento neste ato eleitoral, Capristano repetiu a ideia de que “se um em três querem mudança, os outros dois votaram em Luís Filipe Vieira”. “Queriam unanimidade?”, questionou.

No mesmo programa, Capristano comentou ainda a postura de Jorge Jesus, nos últimos dias, desde que o Benfica iniciou um ciclo de vitórias.

“Conheço muita gente vaidosa sem razão nenhum para isso. Este senhor que está aqui, que calcorreou o país, que andou como eu na tropa de soldado cadete até alferes, de baixo para cima, é um homem financeiramente independente, ajuda a família, e conseguiu tudo isto à custa de tanto trabalho. Se eu conheço tanta gente que deveria ser modesta e não é, porque é que este homem que tem tanto valor para mim, nos planos desportivo e humano, não há de ser um pouco vaidoso? Quem sobe como ele subiu na vida… Toda a gente sabe que ele é vaidoso, mas o seu percurso na vida justifica essa vaidade”, disse.