Portugal
"Vendemos 145 milhões, não comprámos qualquer estrela e permitimos a dobradinha"
2020-09-10 16:30:00
Rui Gomes da Silva aproveita relatório e contas do Benfica para arrasar gestão de Luís Filipe Vieira

Rui Gomes da Silva, que foi vice-presidente do Benfica numa direção de Luís Filipe Vieira e vai ser candidato nas eleições de outubro, pediu aos adeptos para verem as contas da SAD encarnada com "escrutínio".

O ex-dirigente e anunciado candidato centrou a atenção na gestão do plantel, avisando que o Benfica só teria feito 25,2 milhões de euros em venda de jogadores se não fosse a transferência recorde de João Félix.

"No ano anterior, as vendas renderam 91,4 milhões de euros", lembrou, no comentário que publicou nas redes sociais.

Com os 120 milhões de João Félix, o Benfica somou 145 milhões de euros em receitas com venda de jogadores, "dos quais 135 foram mais-valias". E, mesmo com todo esse dinheiro, foi incapaz de travar o FC Porto no duelo pelo campeonato e pela Taça de Portugal.

"Não comprámos qualquer 'estrela' e permitimos que um clube falido fizesse a dobradinha", lamentou.

Mas o relatório e contas desvenda outros números que merecem "escrutínio", continuou Rui Gomes da Silva.

O ex-dirigente lembrou a compra de uma dupla do Leixões "que nunca foi vista em campo" e as "operações em duplicado", como foram os casos de Chiquinho e Alfa Semedo.

Sobre o avançado, salientou que o Benfica pagou 600 mil euros à Académica, em julho de 2018, para ceder Chiquinho "a custo zero ao Moreirense no mesmo mês", recomprando o jogador "um ano depois" por "quase quatro milhões de euros".

Na qualidade de candidato, Rui Gomes da Silva prometeu comprar jogadores "que engrandeçam o Benfica" e não "que engordem as contas de quem faz as operações".

"Nunca aceitaremos acertos de contas sobre valores irreais, nem comprar ou vender passes de atletas para compensar qualquer conta corrente de ninguém", finalizou.