Portugal
"Vamos perpetuar a trafulhice. Deixamos de falar da podridão do futebol"
2020-07-28 18:35:00
Rodrigo Roquette, comentador da SIC Notícias, critica fim dos programas com adeptos de clubes

Rodrigo Roquette, comentador afeto ao Sporting, criticou a SIC Notícias por decidir acabar com os programas que tenham representantes dos clubes.

Naquela que será uma das últimas intervenções para 'O Dia Seguinte', programa emitido pela SIC Notícias há 17 anos, Roquette não se coibiu de atacar a própria estação por manter programas com "supostos jornalistas e supostos analistas", que "na verdade" são pessoas "a soldo de agentes".

"Se a ideia é falar de aspetos do jogo, acabem também com os programas de supostos jornalistas. Porque se não vivemos numa hipocrisia. Há adeptos que se assumem e outros que passam um ar de neutros e continuam a defender as agendas dos clubes", frisou.

"Esta história de falar só de futebol, defender o futebol… Eu gostava muito mais de falar de futebol, mas não falo porque, infelizmente, em Portugal, não se joga só dentro do campo. E não falar de coisas fundamentais para a verdade desportiva é ajudar a perpetuar a trafulhice. Isto ajuda os trafulhas. Deixamos de falar das polémicas, de expor os casos, de falar da podridão do futebol português", reforçou Rodrigo Roquette.

"Se é para fazer limpeza, criar um ar mais puro e respirável, se faz favor acabem com os programas de supostos jornalistas e analistas", insistiu o comentador afeto ao Sporting.

Roquette salientou também que a própria SIC Notícias, assim como as outras estações, são responsáveis pela "toxicidade" que rodeia o futebol português, devido aos critérios com que selecionam os comentadores.

"Foram estas redações que agora estão a acabar com os programas que escolheram as pessoas. Muitas vezes, escolheram ou mantiveram pessoas sabendo que não eram totalmente independentes, até porque as cartilhas são públicas. Podiam ter feito alguma coisa para evitar a toxicidade e não o fizeram", acusou.

"Agora parece que queremos ostracizar os adeptos, parece que são os culpados do mal do futebol", lamentou ainda Rodrigo Roquette, finalizando que os críticos da "toxicidade" desses programas tinham sempre "a hipótese de não os ver".