Portugal
"Temos que olhar para nós, correr atrás do prejuízo e acreditar", diz Conceição
Redação
2021-04-18 20:00:00
Treinador do FC Porto aponta ao primeiro lugar quando questionado sobre desaires de Benfica e SC Braga

O treinador do FC Porto, Sérgio Conceição, frisou que os dragões continuam a ambicionar chegar ao primeiro lugar, apesar da vantagem de seis pontos do líder Sporting. A garantia foi deixada quando o técnico foi questionado sobre a importância da vitória sobre o Nacional (0-1), esta tarde, horas depois do Benfica (terceiro classificado) ter perdido e do SC Braga (quarto) ter empatado.

"É muito importante ganhar os jogos que faltam. Hoje tínhamos este pela frente, sabíamos que o Nacional ia com tudo para cima para tentar criar dificuldades. Temos que olhar para nós, correr atrás do prejuízo e acreditar, para ser possível é preciso não perder pontos", comentou Sérgio Conceição, na entrevista rápida à SportTV.

O campeonato é a prova que resta ao FC Porto depois de terminada a participação na Liga dos Campeões, numa temporada em que os dragões chegaram à fase decisiva da Taça da Liga e estiveram perto de marcar presença no Jamor. "Já falamos várias vezes da calendarização e do que é uma equipa a representar o futebol português na Europa. É necessário alguma proteção a estas equipas, é preciso repensar. Tem sido extremamente desgastante, porque chegámos à final four da Taça da Liga, meia-final da Taça de Portugal, quase à meia-final da Liga dos Campeões e estamos nesta frente, que é o campeonato. Temos de aceitar", comentou.

Por causa desse desgaste, o FC Porto sofreu mais do que esperava para vencer o Nacional. "Tivemos uma semana passada com dois jogos, aliás três, contando com o o Tondela, muito difíceis, com viagens pelo meio. Vir aqui à Madeira com este clima, um bocadinho diferente do continente, era normal que o Nacional estivesse no máximo, sem nada a perder. Sabíamos da grande vontade e determinação da equipa do Nacional. Na primeira parte, apesar de termos feito o golo e termos mais uma ou outra ocasião, o Nacional chegou com perigo à nossa baliza e o Marche defendeu um penálti. Se o jogo estivesse empatado ao intervalo, não estranharia. Era preciso fazer mais quando tínhamos a bola", analisou.

"Acabámos por sofrer mais do que o expectável e fica a sensação de que nunca tivemos o controlo do jogo, apesar de termos mais oportunidades. É um resultado justo, depois de duas semanas muito difíceis a nível físico e mental", concluiu Sérgio Conceição.