Portugal
"Temos aqui 11, 12, 13, 20 e tal Pepes", realça Vítor Bruno
Redação
2021-04-30 23:30:00
Treinador adjunto do FC Porto destaca importância do triunfo sobre o Famalicão após o empate em Moreira de Cónegos

Vítor Bruno, que assumiu o comando do FC Porto na partida com o Famalicão (3-2) devido ao castigo de Sérgio Conceição, destacou a importância do triunfo como uma resposta ao polémico empate na visita ao Moreirense, na jornada anterior, que deixou os dragões com seis pontos de atraso para o líder Sporting.

"Dar essa resposta é sempre importante, mas esse empate faz parte do passado. Há umas semanas, personificámos esse ADN do FC Porto na figura do Pepe. Hoje temos aqui 11, 12 ou 20 e tal Pepes, que querem sempre mais", comentou o treinador adjunto do FC Porto, na entrevista rápida à SportTV, após uma partida em que o capitão Pepe não foi opção.

Devido à quarta expulsão de Sérgio Conceição, foi o quarto jogo de Vítor Bruno à frente do FC Porto, somando apenas vitórias. "A nossa ligação é forte, conhecemo-nos muito bem e a identificação é total. Não prefiro esta condição, a falta do líder faz-se sentir, os jogadores olham para o banco e não vêem o líder, mas tentámos atenuar ao máximo a ausência. E, no global, tudo o que estava planeado para o jogo foi conseguido", comentou.

Sem o "líder" no banco, o FC Porto mostrou nervosismo na parte final, quando o Famalicão ameaçou o empate. "Sendo natural, não deve acontecer", avisou: "É importante que quem entra perceba que a arte de defender é tão bonita como a arte de atacar. Não podemos pensar em fazer golo e depois sofrer um".

"Entrámos bem no jogo, fortes, com um golo. Depois, há a saída do Corona e tivemos de reconfigurar a estrutura e a equipa deu a ideia de se ter perdido um pouco. Aí, num único remata, o adversário faz o empate. Na segunda parte voltámos à nossa estrutura habitual e estivemos bem. Nunca olhámos para o adversário com um sorriso, fomos sérios, honestos e humildes. Sempre verticais e acutilantes para tentar chegar à baliza. Na parte final podíamos ter feito dois, três, quatro golos e fechar o jogo", concluiu Vítor Bruno.