Portugal
“Sportinguistas não querem Bruno de Carvalho mas já não acreditam em Varandas”
2020-07-28 15:35:00
Antigo candidato Pedro Madeira Rodrigues pede eleições antecipadas no Sporting

Pedro Madeira Rodrigues pede a Frederico Varandas que marque eleições antecipadas, ainda neste ano, para que o universo leonino se pronuncie. 

Em entrevista à Rádio Renascença, o ex-candidato à presidência do Sporting garante que não avançará, mas defende que esta é a única forma de conceder tranquilidade ao clube.

“A única maneira de haver sossego é Frederico Varandas anunciar, desde já, que vai haver eleições, no final da época, antecipando o final do mandato que termina em 2022. O último ano correu-lhe muito mal, mas pode ser que consiga agora mostrar alguma coisa. Eu não acredito, mas ele ganhou as eleições e, portanto, terá direito a este ano extra. Entretanto, as pessoas que têm um projeto, ideias e que podem resolver os problemas do Sporting que se preparem", defendeu.

Madeira Rodrigues não receia o regresso do ex-presidente Bruno de Carvalho, mas teme que surja “um Bruno de Carvalho”, alguém que opte por um caminho populista.

“O populismo, a demagogia e a mentira vão aparecer. Não acredito no Bruno de Carvalho, que ficou muito 'queimado' e a maioria não o quer. Mas um Bruno de Carvalho pode aparecer. Esse caminho poderá ser aberto. E os sportinguistas que não querem este caminho têm de se juntar. Tem de pensar bem no que podem fazer. Isso seria o fim do Sporting, como nós o conhecemos", argumentou.

Para o antigo candidato, o Sporting está perante um desafio, que resulta da incapacidade da atual direção unir o universo leonino. "A verdade é que chegámos a um ponto em que, por um lado, a maior parte dos sportinguistas não quer Bruno de Carvalho mas também já não acredita em Frederico Varandas", diz.

E num comentário à entrevista de Varandas, publicada nesta terça-feira no Record, onde o dirigente assume responsabilidades, mas aponta o dedo às arbitragens, Madeira Rodrigues entende que "assumir a responsabilidade não quer dizer nada".

"Obviamente, ele é o responsável. Ele tem é de pensar no que disse na época anterior: que 'estava tudo muito bem preparado' e que pessoas como eu, que criticavam o planeamento da época, ‘não percebiam nada de futebol e eram intelectualmente desonestos’. Ele tem de pôr a mão na consciência e ter a humildade de pôr o lugar em aberto, porque, caso contrário, os tempos vão ser complicados e a equipa é que vai pagar. A equipa e também o treinador, pelo qual pagámos mundos e fundos", refere.

Relativamente a Rúben Amorim, Pedro Madeira Rodrigues destaca o facto de ter posto "os jovens a jogar" e de ter competência para o cargo e um grande futuro em perspetiva. 

"Rúben Amorim não teve a sorte, mas pode ser um treinador de futuro. Merece a oportunidade de trabalhar com tranquilidade. No final da época logo veremos", conclui.