Portugal
“Sporting sempre teve uma formação de excelência, mas depois deslumbravam-se”
2021-07-18 20:00:00
Carlos Xavier destaca a preocupação dos leões em evitar que os jovens “virem vedetas ou craques"

O Sporting, campeão nacional em título, prepara o arranque da temporada 2021/22 mantendo a aposta num plantel baseado em jovens que saíram da formação leonina. Dois dos reforços para a nova época, Ricardo Esgaio e Rúben Vinagre, também tinham passado pelos escalões de formação do Sporting, reforçando ainda mais o peso da ‘prata da casa’ no plantel de Rúben Amorim.

O técnico levou para o estágio no Algarve (que arrancou no dia 11 e termina a 21 de julho) 29 atletas, com 19 a terem passado pela formação: Eduardo Quaresma, Gonçalo Inácio, Tiago Tomás, Nuno Mendes, Daniel Bragança, Luís Maximiano, Dário Essugo, Jovane Cabral, João Palhinha, Diego Callai, Flávio Nazinho, Tiago Ferreira, Joelson Fernandes, Gény Catamo, Rúben Vinagre, Ricardo Esgaio, Bruno Paz, Rodrigo Fernandes e Pedro Marques.

“O Sporting sempre teve uma formação de excelência. Sempre teve e continua a ter jogadores com grande qualidade. Quanto mais cedo eles sentirem que poderão chegar à primeira equipa mais os agarramos”, lembrou Carlos Xavier, antigo capitão dos leões.

De entre os “miúdos novos” que participaram nos dois jogos de preparação feitos pelo Sporting (vitória sobre o Belenenses SAD e empate com o Portimonense), houve um a chamar a atenção de Carlos Xavier, pela qualidade de passe.

“Gostei muito do Rodrigo Fernandes, principalmente a maneira como ele toca na bola. Controla a bola e faz o passe com convicção, com determinação. Faz muito bem isso. Eu também aprendi isso no Sporting, o treinador César Nascimento obrigava-nos a fazer um passe como deve ser, a bola não podia chegar ‘a morrer’ ao colega”, sustentou, em declarações na Sporting TV.

A formação do Sporting sempre foi de qualidade, mas poucos têm sido os jogadores a vingarem ao mais alto nível. O problema estava no “deslumbramento”, que distraía os jovens futebolistas do essencial.

“Há uns tempos atrás, se jogassem bem tinham logo uma entrevista no jornal. Um júnior que jogasse bem tinha logo duas páginas. Claro, deslumbravam-se e depois caíam no esquecimento. Hoje em dia não, há uma preocupação muito grande em dar-lhes uma perspetiva diferente do que é jogar no Sporting”, disse o ex-capitão.

O paradigma mudou e os jovens da formação são agora mais “acompanhados”, para saberem conquistar o seu espaço na principal equipa do Sporting “sem que virem vedetas ou craques, pois deslumbram-se e não vão dar em nada”. “Neste momento, está-se a trabalhar muito bem”, reforçou o antigo internacional português.

Graças ao trabalho de Rúben Amorim na última temporada, qualquer jovem da formação sabe que tem “oportunidade” para chegar à equipa principal do Sporting. “Com este treinador e este projeto é realmente acessível. Tanto que um miúdo do FC Porto veio para o Sporting porque sabe que aqui tem condições para lá chegar”,apontou Carlos Manuel, referindo-se a Gonçalo Esteves.

Nesta análise à pré-temporada do Sporting, o ex-capitão dos leões aproveitou para deixar um reparo à arbitragem, devido à lesão de Pedro Porro, que sofreu uma luxação da articulação tíbioperoneal superior do joelho direito.

“Já que os jogos de pré-temporada servem para as equipas evoluirem em vários pontos os árbitros também têm que evoluir. Estes jogos também servem para eles atuarem em termos disciplinares. Vimos entradas do Belenenses SAD a roçar quase a agressividade e os árbitros têm de se impor também nos jogos de treino”, finalizou Carlos Xavier.