Portugal
“Será que foi o árbitro que mandou o treinador meter o Palhinha?”
Redação
2021-01-27 15:30:00
Ex-árbitro Marco Ferreira comenta amarelo ao médio do Sporting e rebate teorias da conspiração 

Depois de ser admoestado com um cartão amarelo, no embate com o Boavista, João Palhinha completou uma série de cinco cartões, o que o impede de defrontar o Benfica, no dérbi da próxima jornada.  

A decisão de Fábio Veríssimo gerou forte contestação por parte do Sporting, de forma institucional e pela voz de adeptos com mediatismo (como o ex-administrador da SAD, Miguel Cal, o médico Eduardo Barroso, o advogado Dias da Cunha, ou o antigo avançado Manuel Fernandes), mas o ex-árbitro Marco Ferreira entende que se trata de “um cartão amarelo e nada mais” 

Num fórum com adeptos do futebol, promovido pelo jornal Record, nesta quarta-feira, o antigo juiz salienta que João Palhinha poderá ficar fora do jogo com o Benfica – caso o Conselho de Disciplina da Federação mantenha essa decisão e não dê provimento ao recurso apresentado pelo Sporting – porque viu outros quatro cartões, antes daquele. Nesse sentido, segundo Marco Ferreira, é injusto colocar o ónus sobre o árbitro do jogo de ontem.  

“Não esqueçam que a suspensão será porque o jogador acumulou cinco amarelos. Ou seja, não acho justo nem correto atacar um quinto do problema, quando os outros quatro amarelos até podem ter sido bem exibidos. Admito que as emoções sejam mais fortes do que a razão, mas não podemos esquecer as evidências”, argumenta. 

Marco Ferreira afasta teorias conspirativas e reitera que a decisão de Fábio Veríssimo não pode ser entendida como propositada: “Bem ou mal, acertando ou errando, é só um amarelo. Aliás, o último amarelo de uma sequência de cinco que motiva a suspensão”. 

“Será que todos os quatro anteriores foram propositados? Será que foi o árbitro que mandou o treinador meter o Palhinha? Nem tudo o que motivou o quinto amarelo teve que ver com hipotéticos erros de arbitragem”, defende. 

O ex-árbitro salienta que, fora da arbitragem, é mais fácil compreender o lado do adepto. “É normal que as pessoas entendam o amarelo como intencional, propositado para falhar o rbi. Entendo isso tudo e, muitas vezes, falta o bom senso aos árbitros, nestes casos. Mas, para a arbitragem, aquilo é só um amarelo exibido e nada mais”, insiste. 

Apesar da controvérsia, certo é que João Palhinha ainda tem uma janela de esperança. O Conselho de Disciplina poderá despenalizar o jogador, depois de ouvir o árbitro da partida. Se Fábio Veríssimo considerar que errou, o médio poderá ver retirada a sanção e defrontar o Benfica, ficando, de novo, com quatro cartões amarelos no campeonato. 

Palhinha, refira-se, é uma peça essencial no onze de Rúben Amorim. O técnico deixou o médio de fora, no jogo com o Boavista, e lançou-o perto do fim, numa altura em que os leões já venciam.  

Rúben Amorim garante que a opção de colocar Palhinha no banco deveu-se a sinais de cansaço que o jogador vinha evidenciando.