Portugal
Seara contesta “silêncio com cumplicidade” no futebol
Redação
2021-04-15 23:10:00
"Algumas instituições desportivas, com poder e influência, aceitam candidamente que não haja público nos estádios"

Fernando Seara, antigo dirigente do Benfica e antigo presidente da Câmara Municipal de Sintra (eleito pelo PSD), reagiu com desagrado às declarações de hoje de António Costa (PS), a propósito de o primeiro-ministro ter dito que “seguramente” o público não será autorizado a voltar aos estádios até ao final da temporada 2020/21. Na qualidade de advogado, Seara acusou o Governo de violar dois princípios da ordem jurídica portuguesa, um deles garantido pela própria Constituição. E tudo isto perante o silêncio “cúmplice” das principais instituições do futebol nacional, numa crítica velada à Federação Portuguesa de Futebol, pois Pedro Proença, presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional, assumiu publicamente a intenção de ver o público regressar já a partir de 19 de abril.

“Nós, como adeptos, podemos suscitar o princípio da igualdade e o princípio da proporcionalidade. O dia 3 de maio é apontado como o final do desconfinamento. Porque é que um adepto não pode ir com limitações ao estádio e pode ir a outras atividades? Não há nenhuma lógica em relação a esses dois princípios. Se eu fosse ator desportivo relevante questionava esta matéria”, sustentou Fernando Seara, no comentário de hoje para A Bola TV.

Com abril a ser “o mês da resistência”, o ex-dirigente desportivo e ex-autarca exortou ‘o mundo do futebol’ a contestar publicamente a decisão hoje anunciada por António Costa. “Algumas instituições desportivas, com algum poder e com alguma influência, aceitam candidamente que não haja público nos estádio. É o chamado silêncio com cumplicidade. É bom que se comece a perceber que em Portugal ainda há pessoas que dizem não. Eu contesto. Não compreendo”, reforçou.

Nessa contestação, Seara lembrou que está prevista a realização de uma cimeira europeia no Porto, já no próximo maio. Tendo feito umas contas, o ex-deputado do PSD deixou um aviso ao Governo socialistas, avançando que essa cimeira, em ambiente fechado, terá mais gente do seria admissível num estádio com lotação condicionada devido à pandemia. “Nos dias 7 e 8 de maio, numa cimeira europeia no Porto, vão estar mais pessoas do que seria admissível num estádio de futebol. Nós [pessoas do futebol] percebemos e sabemos ler as coisas. Não nos tomem como tolos”, acrescentou.

Ainda a propósito da proibição de público nos estádios e da falta de reação de quem tem “algum poder” no futebol nacional, Fernando Seara lamentou que haja um medo de questionar as decisões das autoridades. “Parece que anda tudo em pontas [como no balé]... Ai, que não se pode dizer nada porque estamos em tempo de pandemia”, ironizou. E ficou, já a fechar, uma outra crítica, agora direcionada aos “especialistas que sabem tudo” e, com propaganda e desinformação, tornam mais difícil essa contestação às restrições que levantam mais dúvidas. “Descobri que em Portugal há especialistas que sabem tudo. Nunca vi tanta gente por metro quadrado a saber tudo”, concluiu.