Portugal
"Se sócios quiserem que se voltem a atirar tochas aos guarda-redes do Sporting"
2020-10-09 14:10:00
"Sporting está farto destas guerrinhas. Não tenho paciência para estes meninos", diz Abrantes Mendes

Antigo presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Abrantes Mendes mostra-se descontente com a entrega por parte de um grupo de sócios de um pedido para o agendamento de uma Assembleia para tentar destituir a direção de Frederico Varandas e reintegração de Bruno de Carvalho e Alexandre Godinho como associados.

"Tal como na política e em matérias da sociedade civíl, também a nível desportivo, salvo condições excecionais, sou apologista da normalidade de funcionamento das instituições", começou por dizer Abrantes Mendes, em declarações na TSF, destacando que o poder não poderá cair "na rua".

"O poder não pode cair na rua. Se não, qualquer dia, meia dúzia de pessoas que não estão contentes com o funcionamento disto ou daquilo, toca a requerer uma Assembleia Geral para destituir", salientou o juíz de profissão, que desempenhou funções nos órgãos sociais leoninos.

Abrantes Mendes salienta ainda que "o Sporting está farto destas guerrinhas" e apela à serenidade do universo verde e branco para que o clube possa prosseguir o seu caminho.

"Quando digo que o poder não pode cair na rua e digo que sou apologista da normalidade de funcionamento das instituições e do cumprimento integral dos mandatos, salvo aqueles casos que estão contemplados nos estatutos, é porque de uma vez por todas temos de olhar primeiro para o clube e não para os nossos próprios umbigos."

O antigo presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting diz que "se os sócios quiserem que se voltem a atirar tochas aos guarda-redes do Sporting, invadirem as academias de Alcochete, vierem com manifestações constantes porque não estão contentes com os equipamentos, com o jogador A, o treinador B ou C, então os sócios dirão."

Abrantes Mendes, que se tem mostrando contra o regresso de Bruno de Carvalho, diz que no fundo nisto tudo "quem perde é o Sporting" e "não é o grupo A, grupo B ou o grupo C", disse, lembrando que o Sporting já passou por "tempos de populismo muito difíceis".

"Muito recentemente, esses tempos acabaram com voto da esmagadora maioria dos sócios. Muito sinceramente, não tenho muita paciência para estar a aturar agora um grupo de meninos que entendem que são donos do Sporting. Os donos do Sporting são os sócios. Nas próximas eleições vão dizer o que querem, se querem A, B ou C"

Nesta entrevista na TSF, Abrantes Mendes comentou ainda as possibilidades do Sporting nesta época desportiva, acreditando que a equipa às ordens de Rúben Amorim poderá alcançar algo.

"Olhando para aquele conjunto de miúdos que estão a jogar no plantel principal do Sporting, agora com mais uns reforços que houve, eu penso que é de encarnar, enfim, com esperança esse futuro do Sporting. Agora, as pessoas não venham já pedir campeonatos e isto e aquilo."

Abrantes Mendes lembra que "o caminho faz-se caminhando" e, portanto, acredita que esta direção "tem tido um discurso realista" e que "não é de um ano para o outro que se ganham campeonatos".

"O único caminho é a formação, não existe outro. Não vale a pena sob pena de envididamente constante. Os clubes têm de viver de acordo com as suas possibilidades".