Portugal
"Se pensam que nos vergam, enganam-se", avisa Pinto da Costa
Redação
2021-05-01 20:50:00
Presidente dos dragões diz que tentam "impor uma mordaça a quem levanta a voz fora da capital"

O presidente do FC Porto não abranda o tom das críticas em relação às arbitragens e, neste sábado, volta 'à carga', visando o trabalho de Hugo Miguel e António Nobre no jogo da 29.ª jornada do campeonato, em Moreira de Cónegos, onde o FC Porto empatou a uma bola. O líder dos dragões salienta ser "natural" a revolta do plantel e dos adeptos azuis e brancos. "É perfeitamente natural e justo que o nosso treinador, os nossos jogadores e os nossos adeptos tenham expressado uma grande insatisfação no final do jogo", indicou Pinto da Costa.

No editorial que assina na revista Dragões, o responsável máximo do FC Porto mostra-se ainda indignado com o castigo de 21 dias aplicado a Sérgio Conceição, na sequência da forma como abordou o árbitro dessa partida em Moreira de Cónegos, recebendo ordem de expulsão. "No caso do Sérgio Conceição, até pecou por defeito nas reclamações, visto que só se queixou de dois penáltis". Pinto da Costa realça que "foi vítima de mais um erro", levando o presidente dos portistas a salientar que o desporto está a voltar a "tempos sombrios anteriores a 25 de abril de 1974".

Daí que Pinto da Costa garanta que o clube lutará em todas as instâncias contra este castigo. "Não abdicamos e não abdicaremos nunca do direito à indignação cunhado pelo saudoso Mário Soares", referiu o presidente dos azuis e brancos.

E por falar em figuras políticas, Pinto da Costa aproveitou ainda para velar críticas a dois representantes políticos do atual Governo, criticando quer o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues quer o Secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo.

Pinto da Costa sublinha que, em Portugal, "com a maior das facilidades se procura impor uma mordaça a quem levanta a voz fora da capital" mas promete não 'baixar a guarda'. E, nesse sentido, insiste nas críticas ao Governo.

O "ministro da Educação e um alegado secretário de Estado do Desporto" foram "muito lestos a juntar-se ao coro dos que procuram branquear o que se passou no relvado de Moreira de Cónegos", disse, aludindo às críticas que ambos os governantes fizeram por causa da agressão de que foi alvo um repórter de imagem da TVI por um empresário.

Pinto da Costa sustenta que os dois governantes, ao mesmo tempo, "deixam por resolver os problemas que atormentam milhares de professores e de alunos e convivem com a maior das naturalidades com a propaganda aos principais clubes de Lisboa que é feita na televisão pública em pleno Estudo em Casa", disse, em alusão à presença da guarda-redes benfiquista de futsal numa aula de educação física.

E em direção ao Governo fica uma promessa de Pinto da Costa. "Se pensam que nos vergam, enganam-se. Nunca desistiremos da nossa luta", assegurou o presidente do FC Porto.

A fechar, em relação ao caso da agressão ao repórter de imagem da TVI, Pinto da Costa reiterou que condena atos de violência. "Tanto o FC Porto como eu em particular repudiamos qualquer ato de violência praticado seja contra quem for e seja onde for".