Portugal
"Schmidt não procura ser popularucho e eu gosto disso"
2024-03-20 11:30:00
"Duvido que tenha sido ele a arranjar o problema", defende ex-diretor-geral do Sporting Carlos Freitas

Roger Schmidt tem enfrentado a crítica quer de adeptos quer de alguns comentadores ao longo da temporada. Os tempos de popularidade com as conferências e com a forma como colocou o Benfica da época passada a jogar, já lá vão. O treinador alemão tem lidado com problemas dentro das quatro linhas, mas também fora delas.

Recentemente, foi Orkun Kokçu a dar uma entrevista onde criticou as opções do treinador, nomeadamente ao colocá-lo com tarefas que este não estava habitado na Liga dos Países Baixos.

Carlos Freitas elogia Schmidt porque "não procura ser popularucho"

Esse foi um dos problemas a somar a outros ao longo da época. Recorde-se, que Roger Schmidt já foi alvo de tarjas, assobios e até lhe atiraram garrafas de água no Estádio da Luz, levando a que o treinador tivesse convidado esses adeptos a não comparecerem no estádio.

Há até quem diga que "Schmidt não tem unhas para o Ferrari", mas Carlos Freitas, antigo diretor-geral do Sporting, que passou por outros clubes como o SC Braga ou Vitória Sport Clube, de Guimarães, discorda dessa linha de pensamento e defende o germânico pela forma como encara as situações.

“Ele não procura ser popularucho. E eu gosto disso. Obviamente que já cometeu erros, nem vou pela questão dos números que são demasiado eloquentes”, salientou Carlos Freitas sobre o treinador que continua com via aberta para ser campeão, vencer a Taça de Portugal e ainda pode vencer a Liga Europa, depois de já ter vencido a Supertaça Cândido de Oliveira diante do FC Porto.

“Eu acho que é alguém que este ano, ao contrário do que foi propalado no início de época, ele confrontou-se com um problema, tem cometido erros na gestão do problema, mas duvido que tenha sido ele a arranjar o problema”, assinalou Carlos Freitas.

“Não foi ele que arranjou o problema à esquerda, nem foi ele que arranjou o problema à direita”

Em declarações no Canal 11, o ex-dirigente verde e branco fez notar que “o Benfica este ano objetivamente perdeu fulgor ofensivo do lado esquerdo e ganhou um grande problema defensivo do lado direito e provavelmente por duas decisões que não foram da cabeça de Schmidt”.

Schmidt é um "profissional honesto"

“Não foi ele que arranjou o problema à esquerda, nem foi ele que arranjou o problema à direita”, vincou Carlos Freitas, ciente de que o técnico germânico tem “cometido alguns erros, ou tomado decisões que podem ser discutíveis".

"Mas, acima de tudo, valorizo, alguém que, num mundo em que se pode fazer carreira a vários níveis invocando palavras como serenidade, plenitude e gratidão, alguém que chega e traça um caminho, não tem medo das palavras, assume as suas decisões, vai pagar pelos seus erros, mas parece-me um profissional honesto", defendeu Carlos Freitas.

Por outro lado, o ex-dirigente verde e branco lembra que Roger Schmidt é alguém "que teve resultados na Áustria, na Alemanha, nos Países Baixos e está a ter em Portugal".

"Num mundo em que se pode fazer carreira a vários níveis invocando palavras como serenidade, plenitude e gratidão, alguém que chega e traça um caminho, não tem medo das palavras, assume as suas decisões, vai pagar pelos seus erros, mas parece-me um profissional honesto"

"Não será o melhor do mundo mas está longe de ser aquilo que muitas vezes parece", finalizou a este respeito Carlos Freitas, numa época em que já se disse que Roger Schmidt está a ser "assado" enquanto estão "sentadinhos no camarote".