Portugal
"Sabemos o mediatismo que é jogar com um grande e ter sucesso"
Redação
2021-04-21 14:20:00
Ricardo Soares alertou jogadores para um facto: "nada muda", após o triunfo com o Benfica

Na antevisão da receção ao Famalicão, na quinta-feira, da 28.ª jornada da I Liga, Ricardo Soares sublinhou que o Gil Vicente não se vai iludir com vitória em casa do Benfica. O clube de Barcelos vem de uma surpreendente vitória por 2-1 no Estádio da Luz, na jornada anterior, mas o treinador dos minhotos alertou para a necessidade dos jogadores mostrarem equilíbrio na hora de ganhar.

"Sabemos o mediatismo que é jogar com um grande e ter sucesso. Há um trabalho que foi feito nestes dias de equilíbrio e alertámos os jogadores para isso, porque nada muda. Da mesma forma que tivemos três ou quatro derrotas seguidas e não ficámos depressivos, há uma forma de trabalhar e de estar diária e uma vontade de crescer enquanto equipa", afirmou na conferência de imprensa de antevisão da receção aos também minhotos de Famalicão.

Segundo Ricardo Soares, "a equipa mostrou equilíbrio na hora de perder e vai mostrar também na hora de ganhar". "Foi bom porque foram três pontos, mas nada mais do que isso e, no dia em que perdermos isso, vamos ter problemas no futuro, não nos vamos iludir pelo mediatismo", acrescentou.

Já o Famalicão registou uma derrota caseira, também ela com surpresa, frente ao Portimonense (1-0), depois de quatro jogos seguidos a pontuar (dois empates e duas vitórias), mas Ricardo Soares disse estar à espera de dificuldades.

"O Famalicão precisa de pontos, mas nós também. Tem qualidade e vai fazer pela vida, como nós. É um bom desafio para percebermos se continuamos a crescer. Temos máximo respeito pelo Famalicão, mas queremos fazer um excelente jogo e vencer para ficarmos mais perto do objetivo, que é a manutenção", disse.

Ricardo Soares considerou ainda que as equipas que lutam por ficar na I Liga "têm grande qualidade e, cada uma à sua maneira, são muito parecidas no que é a sua qualidade no seu todo".

O treinador dos gilistas elogiou o Famalicão, uma equipa "com muita qualidade, com jogadores individualmente muito fortes, como Gil Dias, o Gustavo Assunção, o Ugarte, e outros, com jogadores jovens e outros mais experientes que aportam à equipa talento”.

“A partir do momento em que o Ivo Vieira entrou a equipa deu um salto qualitativo defensivamente e também nas suas dinâmicas ofensivas, é uma equipa diferente para melhor", disse.

O treinador disse ainda que o Gil Vicente está "num bom momento", mas já na derrota caseira com o Moreirense, na jornada anterior, tinha feito "um excelente jogo".

"Ainda falta muito e é extremamente difícil na I Liga, ainda ontem [terça-feira] vimos uma equipa que faz um excelente trabalho a vencer justamente [Farense, 2-0 ao Paços de Ferreira]. Não nos sentimos superiores a ninguém, o que vai ditar a diferença é a competitividade que as equipas mostrarem dentro de campo", disse.

Ricardo Soares manifestou-se ainda contrário à ideia da redução da I Liga para 16 clubes, discordando que isso signifique um ganho de competitividade.

"Acho que devíamos aprender com o passado. Querem um campeonato mais competitivo do que tem sido até agora? Já tivemos campeonatos com 16 equipas e a competitividade não foi nada disto. Estão cerca de 10 equipas embrulhadas pela manutenção, pela Europa outras três ou quatro. Para ser campeão, houve uma equipa que fez um campeonato extraordinário, que ainda não perdeu uma única vez e merece os elogios de todos, está bem lançada para ser campeã, mas ainda tem o FC Porto que ainda tem todas as condições para lá chegar. O Benfica e o Sporting de Braga estão mais atrás, quebraram um pouco, o que é normal", disse.

O técnico do Gil Vicente criticou ainda a criação da Superliga Europeia, considerando que "o futebol só faz sentido se for de todos" e deve ser um "canalizador de uma sociedade melhor e mais justa".

Gil Vicente, 11.º classificado, com 31 pontos, e Famalicão, 15.º, com 27, defrontam-se a partir das 18:00 de sábado, no Estádio Cidade de Barcelos, jogo que será arbitrado por António Nobre, da associação de Leiria.