Portugal
"Quando as coisas não correm bem arranjam sempre um fait-diver"
2022-10-25 12:55:00
"Useiros e vezeiros em arranjar cortinas de fumo e manobras de diversão para fugir às responsabilidades", critica Sousa

A oposição a Frederico Varandas faz-se ouvir e lamenta a forma como a Direção está a conduzir o processo da carga policial que a PSP realizou no setor da 'Juve Leo'. Para Nuno Sousa, antigo candidato à presidência verde e branca, a atual administração leonina procura arranjar uma "desculpa" ou um "fait-diver" quando "as coisas não correm bem".

"São useiros e vezeiros em arranjar cortinas de fumo e manobras de diversão para fugir às responsabilidades", respondeu Nuno Sousa, certo de que aparce sempre alguma "desculpa". "Quando as coisas não correm bem arranjam sempre uma desculpa, um fait-diver. Desta vez não é a 'herança pesada' ou a Covid, esses já estão gastos", assinalou o antigo adversário de Frederico Varandas na corrida eleitoral.

Para o antigo candidato à presidência do Sporting, a "atuação da Polícia [com o corpo de intervenção] foi desproporcional, não havia perigo nenhum" no local onde decorreu a operação policial, no setor do estádio do Sporting onde habitualmente fica instalada a claque Juventude Leonina.

"Ninguém tinha a sua integridade física em risco, ou um direito seu em risco, o que já não se pode dizer depois da intervenção policial", comentou Nuno Sousa, em declarações ao portal Leonino.

Além disso, o antigo candidato à presidência do Sporting lembra que o documento essencial do país tem regras claras que devem ser também pelas autoridades policiais serem levadas em conta.

"A Constituição Portuguesa tem como um dos princípios a proporcionalidade, e isso foi claramente desrespeitado", avaliou Nuno Sousa, ex-candidato à presidência do Sporting e um dos rostos da oposição ao atual elenco diretivo verde e branco.

Em relação à temporada verde e branca, que tem sido marcada por alguns desaires como o afastamento da Taça de Portugal perante uma equipa do terceiro escalão, Nuno Sousa aponta críticas a Frederico Varandas e diz que a estrutura acabou por "faltar à palavra ao treinador".

"Má preparação da época, défice de qualidade no plantel por venda de jogadores com a época a decorrer sem estar preparada a sua substituição e sobretudo com a estrutura a faltar à palavra ao treinador", indicou Nuno Sousa.

O antigo candidato à presidência do Sporting lamenta que seja frequentemente Rúben Amorim, treinador do Sporting, a aparecer em público para "dar a cara" perante os desaires do clube verde e branco.

Nuno Sousa entende que outras figuras ligadas ao clube deveriam também marcar uma posição no decorrer da temporada, que não tem corrido dentro do esperado pelos sócios, adeptos e simpatizantes do clube verde e branco.