Portugal
“Putativa oposição vivia mais do mal dos outros do que de um projeto convicto”
2021-09-03 20:45:00
Carlos Freitas diz que "a grande mandatária da candidatura de Rui Costa foi a equipa de futebol e a liderança de Jesus"

Os bons resultados da equipa do Benfica, que valeram a qualificação para a Liga dos Campeões e a liderança isolada na I Liga, à quarta jornada, representam um forte trunfo para o atual presidente do clube da Luz. Rui Costa tem assim via aberta para a vitória no ato eleitoral, em outubro, considera Carlos Freitas, ex-diretor-geral do Vitória de Guimarães e atual comentador da SIC. 

"Penso que a grande mandatária da candidatura de Rui Costa foi a equipa de futebol e a liderança de Jorge Jesus, desde o início da época. Foram os resultados que permitiram esta tranquilidade e este esvaziamento de uma putativa oposição, que vivia mais do mal dos outros do que de um projeto convicto, tendente à tomada do poder no Benfica", afirmou, naquela estação televisiva.

Carlos Freitas não se surpreenderá se o atual presidente for reconduzido no cargo, agora legitimado num ato eleitoral, depois de ocupar funções em virtude da saída de Luís Filipe Vieira. Mas o antigo diretor desportivo do Sporting e SC Braga, com passagens pelo Metz e pela Fiorentina, encontra um ponto de interrogação, na análise às eleições do Benfica.

"A grande curiosidade é saber com que equipa Rui Costa se irá apresentar aos sócios. Não acredito que todos os nomes que fazem parte da lista atual se mantenham e que não haja a injeção de sangue novo", diz.

O atual presidente, refira-se, ainda não formalizou uma candidatura que se adivinha. Ontem, Rui Costa foi confrontado com essa questão, à saída da cimeira de presidentes, mas não confirmou se é candidato.

Por outro lado, a oposição ainda não deu um passo em frente. João Noronha Lopes não tem sido sequer uma voz ativa no seio benfiquista e enfrenta uma luta contra o tempo, tendo em vista uma eventual candidatura à presidência do Benfica.

Os sócios do clube da Luz foram convocados para eleições, que decorrem no dia 09 de outubro, um ano depois de Luís Filipe Vieira ter sido reconduzido no cargo.