Portugal
Portimonense trava série de vitórias notável do Paços de Ferreira
Redação
2021-02-09 17:20:00
Pacenses e algarvios dividem pontos, anfitriões encerram série de seis triunfos consecutivos

O Paços de Ferreira empatou hoje a zero na receção ao Portimonense, desperdiçando a oportunidade de se colar a Benfica e Sporting de Braga no terceiro lugar, à 18.ª jornada da I Liga de futebol.

Num jogo sem muitas oportunidades de golo, os algarvios acabaram por estar mais perto da vitória, face a um Paços que somava por vitórias os seis jogos disputados em 2021.

Com este empate, o Paços caiu para o quinto lugar, com 35 pontos, deixando escapar o Benfica, com quem partilhava o quarto, e mantendo-se atrás do Sporting de Braga, ambos com 37, enquanto o Portimonense segurou o 15.º posto, agora com 16.

O Paços, que cumpria o jogo 700 no principal campeonato, procurava a sétima vitória consecutiva, mas entrou no jogo mais expectante do que o habitual, optando por esperar o Portimonense no seu meio-campo.

Com as linhas de pressão mais baixas e os jogadores mais próximos, os pacenses pareceram querer retirar espaço e oportunidade nas ‘segundas bolas’ aos algarvios, mais fortes fisicamente e a favor do vento na primeira parte.

Os dois guarda-redes pouco ou nenhum trabalho tiveram neste período, mas, ainda assim, foi a formação de Paulo Sérgio que conseguiu mais aproximações à baliza contrária, beneficiando da velocidade de Aylton Boa Morte, responsável por dois cruzamentos perigosos, aos 22 e 38 minutos.

Nessas iniciativas, sempre pelo corredor direto, Fali Candé e Beto, que se mostrou ao jogo em duas ações nos primeiros minutos, falharam o cabeceamento.

O Paços, sem remates à baliza no primeiro tempo (marcado ainda por três minutos de interrupção devido a chuva diluviana e queda de granizo), regressou dos balneários mais subido no terreno e com maiores níveis de agressividade.

Com esta mudança estratégica, que as substituições acompanharam e o espetáculo agradeceu, Pepa aproximou mais a equipa das zonas de finalização, mesmo que em termos práticos não tenha conseguido equivalência em oportunidades de golo.

A exceção surgiu por Douglas Tanque, aos 83 minutos, com um remate já na área dos algarvios por cima da baliza de Samuel Portugal, de regresso à titularidade após recuperar de Covid-19, após trabalho individual de Stephen Eustáquio.

O adiantamento dos locais no terreno concedeu espaços ao Portimonense, que por duas vezes ficou muito perto de marcar, aos 70 e 86 minutos, mas Dener e Bruno Moreira não conseguiram bater Jordi, valendo ao Paços no último lance o corte de Marco Baixinho em cima da linha de golo.