Portugal
"Por menos de um Cádiz vamos trazer de volta o comboio do Benfica"
2020-09-11 19:30:00
Noronha Lopes critica negócios que "nenhum benfiquista entende" durante promessa eleitoral

João Noronha Lopes, anunciado candidato ao Benfica, questionou a contratação de jogadores que depois deixam o clube sem qualquer jogo oficial, como está a acontecer com Jhonder Cádiz.

Ao prometer "trazer de volta o comboio do Benfica", aludindo à parceria com a CP realizada entre 2013 e 2018, o empresário referiu o exemplo de Cádiz, contratado ao Vitória de Setúbal por três milhões de euros e que foi emprestado ao Dijon, logo após chegar ao Benfica, e agora ao Nashville.

"Por menos de um Cádiz, negócio que até hoje nenhum benfiquista entende, vamos trazer de volta o comboio do Benfica", afirmou

Na mesma iniciativa de campanha, em Felgueiras, Noronha Lopes garantiu que não vai ficar refém da disponiblidade da CP para relançar a iniciativa.

De acordo com o candidato, o comboio do Benfica vai servir, para além do transporte de adeptos em dias de jogo, para visitas guiadas "em parceria com Casas do Benfica e escolas locais".

Quanto a Jhonder Cádiz, não é a primeira vez que o avançado contratado ao Vitória de Setúbal é lançado no debate interno benfiquista.

O exemplo foi dado pelo próprio presidente, Luís Filipe Vieira, ao anunciar o jogador durante numa Assembleia Geral realizada em junho de 2019.

“Contratou-se o ponta-de-lança do Vitória de Setúbal. Mas há uma estratégia para se ter feito isso... e garanto-vos que é para o benefício do Benfica”, declarou Vieira, nessa AG.

Em destaque na campanha do Vitória de Setúbal em 2018/19, Cádiz mudou-se para a Luz... por pouco tempo, sendo emprestado ao Dijon sem ter feito qualquer jogo oficial pelos encarnados.

No início deste mês, a propósito da crise financeira que custou a despromoção ao terceiro escalão do Vitória de Setúbal, o antigo diretor de futebol do Benfica, António Carraça, confirmou que a contratação de Cádiz "foi gesto de solidariedade" do emblema da Luz para com os sadinos e não "um investimento para o futuro".

"Toda a gente sabe que o Cádiz foi um gesto de solidariedade do Benfica para com o Vitória de Setúbal, no sentido de não acontecer o que lhe aconteceu agora", afirmou o ex-dirigente encarnado.

Na última época, o avançado fez 22 jogos pelo Dijon, marcando quatro golos.