Portugal
"Pinto da Costa entende que está acima de tudo e todos"
2024-03-26 11:35:00
"Continua a ser o discurso do inimigo de Lisboa. Não tem só um inimigo fora como já encontrou um dentro"

O FC Porto pretende construir um centro de treinos e a localização tem dividido opiniões entre sócios portistas, nomeadamente Pinto da Costa e André Villas-Boas, que são também candidatos ao próximo ato eleitoral no emblema nortenho. A este concorre também o associado Nuno Lobo.

Se André Villas-Boas já indicou Vila Nova de Gaia como local preferencial para essa construção, onde o FC Porto já treina há várias décadas, Pinto da Costa pretende avançar para a Maia.

Diogo Luís diz que Pinto da Costa acha que está "acima de tudo e todos"

O atual presidente portista está com o processo em marcha para que as obras arranquem na Maia, coisa que tem deixado André Villas-Boas descontente, visto que as eleições serão em breve e este é um tema que não é comum a todos.

Numa fase da campanha em que esta não decorre com "fisgas e pedrinhas", Diogo Luís, antigo jogador de futebol, lamenta a forma como tem decorrido o processo de campanha no FC Porto. E critica Pinto da Costa pelo que diz e pelo que quer fazer.

"Eu acho que há aqui claramente um lado da campanha que parte para a ofensa verbal, que parte para o ataque pessoal que é o lado de Pinto da Costa", lamentou Diogo Luís, criticando o tom e a narrativa usada por Pinto da Costa.

"Diz que é um Vale e Azevedo. Porquê?"

"Continua a ser o discurso do inimigo de Lisboa", observou Diogo Luís, criticando que Pinto da Costa se refira nestes termos aos concorrentes e adversários em campo.

"Pinto da Costa não tem só um inimigo fora como já encontrou um dentro. É André Villas-Boas e, com isso, parte para o ataque, para a ofensa verbal, diz que é um Vale e Azevedo. Porquê? Porque Villas-Boas criticou o facto de estarem agora a assinar um contrato para fazer a Academia", comentou o ex-futebolista, na CNN Portugal.

"E eu acho que o André Villas-Boas tem razão. As eleições são em abril, e a realidade é que estão a tomar uma decisão estrutural a dois meses das eleições. Esteve anos e anos para tomar a decisão e nunca a tomou."

Assim, para Diogo Luís, com este comportamento, "Pinto da Costa entende que está acima de tudo e todos". "E entende que vai tomar uma decisão e colocar todas as decisões que a outra candidatura pode ter em causa e chama-lhe Vale e Azevedo porque diz que, no limite, ninguém rasga contratos como aconteceu com Vale e Azevedo".

Deste modo, o ex-futebolista admite que André Villas-Boas, se for eleito, não irá rasgar contratos entretanto assinados. Mas irá analisar e avaliar. "É claro que o André Villas-Boas não irá rasgar contratos, irá ver se está legal, se é possível fazer alguma coisa para o reverter", concluiu Diogo Luís.