Portugal
"Perdem e estranhamente...". Manuel Machado e os "lobbies" dos treinadores
Redação
2021-03-30 16:55:00
"Existem treinadores com currículos muito ricos, competentes, que neste momento não conseguem ter acesso à Liga"

Manuel Machado está de regresso à Madeira para orientar o Nacional, tentando evitar a descida da equipa da Choupana ao segundo escalão. Para trás, o vimaranense deixou o projeto no Berço, no Campeonato de Portugal.

Apesar de ser um dos treinadores com um currículo já longo no futebol português, Manuel Machado desceu algumas divisões e manteve-se ativo no Berço, longe de imaginar que estava a 'embalar' para o salto, novamente para o convívio dos grandes do futebol português.

Após a saída de Luís Freire do comando técnico dos insulares, Rui Alves ligou ao professor que, outrora, conduziu o Nacional ao sucesso interno e até a alguns momentos marcantes nas provas da UEFA.

Manuel Machado acredita que o regresso ao principal escalão acabaria por acontecer. "Sabia que regressar à Liga seria uma questão de oportunidade e atualmente as oportunidades escasseiam", revelou Manuel Machado, que já trabalha na ilha da Madeira para tentar evitar a descida do Nacional à II Liga.

Voltando ao principal palco do futebol português, Manuel Machado chega com a lição estudada e entende que, nos dias que correm, as portas abrem-se para alguns treinadores de acordo com alguns "lobbies". E Machado abre o livro para falar em "jogos de interesses" que vão pairando no campeonato.

"Sei que a questão de voltar à Liga, hoje, depende não de currículos ou competências, mas de lobbies, jogos de interesses e influências. Existem treinadores que perdem, perdem e estranhamente estão sempre com as portas abertas", afirmou Manuel Machado, em entrevista à A Bola.

O técnico minhoto lamentou que alguns treinadores já com provas dadas continuem na 'prateleira' do futebol. "Existem treinadores com currículos muito ricos, competentes, que neste momento não conseguem ter acesso à Liga", lamentou Manuel Machado, que volta após uma ausência dos grandes palcos.

"A minha disposição para voltar à Liga foi permanente e esteve sempre presente. A exceção foi aquele período logo a seguir ao Moreirense em que achei que era mesmo melhor parar", explicou o treinador português, destacando que não lhe passou pela cabeça um adeus para sempre aos bancos.

"Objetivamente, não foi pensada uma paragem definitiva. Pensei, sim, fazer um ano sabático".

Manuel Machado explicou ainda que após deixar o Moreirense ainda teve convites mas, na altura, entendeu que deveria parar para refletir e quando fosse altura, voltaria.

"Precisava de fazer uma reflexão e foi para aí que parti. Era para ser uma interrupção temporária que acabou por ser longa mas não por falta de projetos. Eram, porém, diferentes dos anteriores que referi e, por isso optei por não aceitar esses desafios para a minha carreira".

Agora, Manuel Machado está de regresso ao campeonato português e começará já com a receção ao Portimonense, agendada para sexta-feira, na Choupana, a partir das 20h30.