Portugal
"Parto do princípio de que as pessoas têm bons gestores à frente dos clubes"
2020-09-17 09:30:00
Treinador avalia indicações que os "cérebros económicos" dão e o investimento que clubes têm feito

Os quatro primeiros lugares da I Liga de futebol 2020/21, que arranca na sexta-feira, “estão praticamente definidos”, segundo o treinador Manuel Cajuda sem vaticinar, porém, o ordenamento final de FC Porto, Benfica, Sporting de Braga e Sporting.

Em entrevista à agência Lusa, o experiente técnico, de 69 anos, sublinhou que essa definição “tira competitividade ao campeonato”, até porque, a seguir a esses quatro candidatos aos primeiros lugares, restam apenas “três equipas na luta pelo último lugar europeu” e, depois, “50% das equipas têm como único objetivo não descer de divisão”.

“Isso não me parece interessante. Quando, 50% dos concorrentes de uma prova, o único objetivo que têm é não descer de divisão, não me parece um campeonato que venha no sentido de evolução e inovação a ser positivo”, comentou o treinador natural do Algarve.

Do ponto de vista de Manuel Cajuda, “não parece difícil vaticinar que a luta vá ser a dois [FC Porto e Benfica]” no que diz respeito às contas do título, mas há outra metade do seu pensamento que lhe diz que “vai haver uma aproximação grande do Sporting e do [Sporting de] Braga à luta pelos primeiros quatro lugares”.

Sobre as contas do apuramento para as competições europeias, “o Rio Ave e, claramente, o Vitória de Guimarães” vão disputar a última vaga disponível através da classificação da I Liga, enquanto o Famalicão o deixa “algo interrogativo” devido à mudança substancial operada numa “equipa muito boa que muda 15 jogadores”.

As grandes alterações ocorridas na maioria dos plantéis da I Liga, em ano de enormes incertezas, devido à pandemia de covid-19, são outro dado que deixa o antigo treinador de Sporting de Braga, Marítimo e Vitória de Guimarães, entre outros, bastante “apreensivo”.

“A maior parte das equipas não se reforçaram, renovaram-se. Há equipas que mudaram 14, 15, 16, 17 jogadores. Isto tudo somado com aquilo que são as novas leis da covid-19, a verdade é que se quisermos olhar para o campeonato, de futuro, com clareza, a única coisa que temos de encontrar aqui são uma série de interrogativas”, disse o técnico, confessando que a Lusa o ‘apanhou’ precisamente no momento em que analisava estes dados.

Cajuda considerou, pois, “alarmante”, o facto de haver “equipas que mudaram mais de 50% do plantel” e ainda “algumas delas mudaram de treinador” também, o que significa que “não vai haver continuidade quer no bom, quer no mau sentido”.

“Por exemplo, no Vitória de Guimarães, entraram 16 jogadores novos e equipa técnica. Mas poderia dizer o Boavista, em que entraram 17 jogadores e equipa técnica nova. Não é fácil implementar trabalho bem [feito] em tão curto espaço [de tempo]. Talvez lá para o meio do campeonato, dependendo da pandemia, venhamos a ter, ou não, melhor futebol”, criticou.

Questionado sobre se considera que os clubes do futebol, português estão a ser impudentes ao efetuar tão avultados investimentos em ano de enorme incerteza, devido à pandemia de covid-19, o treinador que terminou a última época ao serviço do Leixões, na II Liga, disse que “não e sim”.

“A única coisa que posso dizer é que investimentos tão grandes como os que se fizeram, é porque as pessoas têm, provavelmente, segurança naquilo que vai acontecer. Eu não teria tanta. Todo o tecido empresarial deste país tem algumas reservas no futuro. Inclusivamente, os grandes cérebros económicos preveem o agravamento da situação económica em Portugal. O futebol não consegue ver, não sei… Parto do princípio que as pessoas têm bons gestores à frente dos clubes”, concluiu.