Portugal
"Os fusíveis ainda estão um bocadinho queimados. Jesus tem de dar um safanão"
Redação
2021-04-19 11:40:00
Vítor Manuel diz que Benfica estava "avisado" mas sofreu "acidente que pode ter custado muita coisa"

Com a derrota frente ao Gil Vicente, o Benfica interrompeu uma série de triunfos consecutivos e voltaram a pairar dúvidas e nuvens cinzentas no Estádio da Luz, até porque o título, que já era uma miragem, ficou ainda mais difícil, tal como o segundo lugar, agora à distância de seis pontos que o FC Porto tem de vantagem. E agora, Jorge Jesus? É a pergunta que fazem os benfiquistas que viram até o SC Braga aproximar-se ainda mais do terceiro lugar, ainda que só tenha empatado em Vila do Conde e não tenha aproveitado na totalidade o 'galo' encarnado na última ronda.

Vítor Manuel, treinador de futebol, entende que não são apenas os adeptos do Benfica que têm dúvidas e incertezas nesta fase, destacando que essas também pairam na cabeça dos jogadores e até de Jorge Jesus, dado que os treinadores "não são imunes" a interrogações próprias da profissão após resultados negativos. "Os fusíveis ainda estão um bocadinho queimados", comenta Vítor Manuel, certo de que nesta semana Jorge Jesus terá de 'limpar' a sua cabeça e a do balneário para a deslocação a Portimão, dado que a derrota na última ronda não poderá ser apagada.

"O resultado deixa marcas e dúvidas", reiterou Vítor Manuel, certo de que este é um momento para que Jorge Jesus mostre que é "forte". "Aqui tem que ser forte para dar um safanão", disse o treinador, antevendo uma revolução no onze encarnado. "A equipa em Portimão pode ter alterações", antecipa Vítor Manuel, acreditando que depois do jogo feito no sábado, na Luz, Jorge Jesus vai colocar outras caras na equipa encarnada na deslocação ao Algarve, até porque a derrota contra o Gil Vicente foi um "acidente que pode ter custado muita coisa".

"O Benfica estava avisado", refere Vítor Manuel, notando que Jorge Jesus demorou a mexer na equipa ao ver que o Gil Vicente estava confortável a jogar na Luz. "Tenho de dizer isto. Os treinadores têm um princípio que não deve ser princípio. Nos primeiros 20, 25 minutos o Jorge [Jesus] podia ter dado um sinal, logo na primeira parte", destacou o técnico, lembrando que se viu um Benfica "coxo" do lado esquerdo e um Weigl "pouco pressionante". "Foi um Benfica passivo e previsível", identificou Vítor Manuel, em declarações na A Bola TV.

Na análise à derrota frente ao Gil Vicente, por 2-1, Jorge Jesus criticou a arbitragem por permitir "muito antijogo". "Houve muito antijogo. Os jogadores do Gil Vicente estavam cansados, com cãibras e o árbitro parava o jogo. Só quando são choques de cabeça é que o árbitro tem de parar o jogo. Cada vez que os jogadores estavam cansados, parava... Isso tirou o ritmo do jogo, tirou intensidade. O Gil Vicente fez o que o árbitro permitiu. Como é normal em Portugal, o guarda-redes tira 10 ou 15 minutos de jogo". Jorge Jesus criticou ainda que "só nos últimos minutos" é que o árbitro tenha dado "amarelo ao guarda-redes". "É por isso que somos das piores ligas da Europa a nível de tempo útil de jogo. Mas também não foi por aí que perdemos", argumentou Jesus.