Portugal
"Os clubes são burros". Bruno de Carvalho critica Jorge Mendes e outros agentes
Redação
2021-04-06 17:15:00
"Não gosto do Jorge Mendes, mas tiro-lhe o chapéu. Vendia chapéus na praia e agora é o chefe do futebol na Europa"

Bruno de Carvalho nunca 'morreu de amores' por Jorge Mendes e procurou sempre evitar negócios com o agente português, já por diversas vezes condecorado até na Presidência da República e pelo Governo. Mas não é apenas Jorge Mendes que está entre o lote de agentes que o ex-presidente dos leões critica. No fundo, Bruno de Carvalho entende que o futebol poderia viver e existir sem empresários. 

"Quando saí do Sporting, em 2018, devíamos exatamente zero euros ao Jorge Mendes e à Gestifute. Poucos meses depois de eu sair, ele começou a subir, subir, subir. Acho que hoje são quase 20 milhões. Isto não faz sentido", comentou Bruno de Carvalho, em entrevista à So Foot francesa, destacando que não percebe onde é que o Sporting se meteu. "Vinte milhões em dois anos, para fazer o quê? Os clubes são burros. Eles precisam dos agentes?", questionou Bruno de Carvalho.

O ex-presidente do Sporting lança várias considerações a este respeito. "Eu precisava de alguém para me dizer como comprar e vender jogadores? Desde o Fair-Play Financeiro que as receitas dos agentes explodiram. Como é que isso é possível? Isso é um absurdo económico total", salienta Bruno de Carvalho, entendendo que o papel de Rui Pinto e do Football Leaks será fundamental para a nova forma de se olhar o futebol a nível mundial.

"Rui Pinto pode ser o ponto de partida para uma mudança importante no futebol, para evitar o desaparecimento de clubes. Hoje, os clubes estão a ser cada vez mais fantoches impotentes. Falamos sobre eles, tomamos decisões por eles, como se eles não existissem. Enquanto eles ainda estão vivos, por enquanto", avisou Bruno de Carvalho que, ainda assim, elogia Jorge Mendes por aquilo que tem conseguido ao longo da sua carreira como empresário de futebol.

"Não gosto muito do Jorge Mendes, mas tiro-lhe o chapéu. Ele vendia chapéus na praia e agora é o chefe do futebol na Europa. E são pessoas como ele que decidem quem fica e quem vai", disse Bruno de Carvalho, temendo que os presidentes dos clubes cada vez mais percam poder para decidir e deu até o exemplo do ex-líder do Barça, Bartomeu.

"Bartomeu ama o Barça loucamente, ganhou tudo lá. E da noite para o dia, acaba na prisão. Interessante. Conheço muitos presidentes que poderiam ter acabado na prisão por coisas muito mais sérias do que isso [a questão que Bartomeu enfrenta]", disse Bruno de Carvalho, em reação ao caso em que o ex-presidente do clube catalão está a ser investigação no processo ‘Barçagate’, por uma alegada campanha difamatória promovida contra adversários da sua administração.

Perante o estado atual de coisas no futebol, o ex-presidente do Sporting diz que não aconselha ninguém a ser presidente de um clube. "Se alguém me dissesse hoje que queria ser presidente, aconselharia a uma ida a uma igreja para exorcizar o demónio".