Portugal
“Os bancos de suplentes estão a substituir os adeptos”, diz Ayestarán
Redação
2021-04-29 15:35:00
Técnico defende que “as circunstâncias mudaram”, com a ausência de público na bancada

O treinador do Tondela foi convidado a comentar os mais recentes episódios no futebol português, em particular o caso que envolveu o técnico Sérgio Conceição, que foi expulso por protestos dirigidos ao árbitro Hugo Miguel.  

Na conferência de imprensa de hoje, de antevisão do jogo com o Benfica, Pako Ayestarán foi ainda confrontado com as declarações que proferiu sobre o banco do FC Porto, após o jogo entre o Tondela e o FC Porto. “A bancada estava vazia, mas parecia estar cheia, com o barulho que vinha do banco do FC Porto. O que posso dizer?”, disse o treinador. 

Continua a haver muito ruído no futebol português, dentro e fora do relvado? O treinador espanhol concorda, mas salienta que o problema não é apenas no futebol luso. “Não é apenas em Portugal. Acontece no futebol, em geral. Ocorre na liga portuguesa, na espanhola, em quase todas as ligas. Talvez não ocorra na liga inglesa por questões culturais. Talvez tenham outra formação, a nível futebolístico”, enquadra.

Mas o cenário atual é muito específico e Pako Ayestarán faz questão de vincar esse aspeto. Sem o apoio dos adeptos, os bancos estão a sentir um impulso para cumprir essa função. Uma vez que as circunstâncias mudaram – e mudaram as circunstâncias porque não temos adeptos –, o que está a acontecer é óbvio: os bancos de suplentes estão a substituir os adeptos. E o essencial, a razão de ser do futebol, são os adeptos. E é neles que nos temos de concentrar”, acrescentou o técnico do Tondela 

E porque os adeptos são o centro do futebol, devem ser respeitados. Pako Ayestarán entende que os treinadores têm uma palavra a dizer, nesta missão de corrigir o que está mal. E dá como exemplo as simulações de alguns jogadores, que devem merecer uma atitude pedssgógica por parte dos treinadores. 

Nós, treinadores, temos uma palavra a dizer, sobre as mudanças que são necessárias, sobre o nosso comportamento, ou sobre o que transmitimos aos nossos jogadores. Há muito a fazer. Por exemplo, corrigir as simulações. Creio que há um excesso de simulações. E há este sentimento de vergonha, por muitas situações que ocorrem no terreno de jogo. Cada um tem o seu papel a cumprir. Porém, o que está a acontecer ao futebol português ocorre em muitas ligas”, salientou Pako Ayestarán, na conferência de imprensa de hoje. 

O Tondela, que ocupa a nona posição, com 35 pontos, recebe o Benfica num período positivo. A equipa orientada pelo técnico espanhol somou sete pontos nos últimos três jogos e está perto de garantir a manutenção. Porém, o treinador diz que nada está garantido e lembra que já viu "muitas coisas estranhas", referindo-se a resultados inesperado. O jogo entre Tondela e Benfica está marcado para amanhã, às 19h00.