Portugal
"O Sporting não está trabalhado para provas a eliminar", afirma Carlos Brito
Redação
2021-01-12 18:50:00
Treinador lembra "o melhor exemplo" da derrota com o Alverca na época passada

O treinador Carlos Brito responsabilizou Rúben Amorim pela eliminação do Sporting da Taça de Portugal, devido às muitas alterações no onze com que os leões subiram ao relvado do Estádio dos Barreiros.

Carlos Brito lembrou que os sportinguistas tinham "o melhor exemplo" à disposição por, na época passada, Silas ter feito "muitas alterações" e acabado afastado da Taça de Portugal pelo Alverca.

"Rúben Amorim e toda a estrutura devem dissecar o o jogo com o Marítimo. Já na Liga Europa foi o mesmo. O Sporting não tem estado muito talhado para estas situações e na próxima semana vai ter outro jogo a eliminar", sustentou.

"O Sporting não está trabalhado para provas a eliminar", reforçou o técnico, lembrand que "as duas derrotas" dos leões na presente época "foram em provas a eliminar".

"Rúben Amorim acreditou nos que entraram, mas é preciso encarar as provas a eliminar da mesma forma, muito competente, com que o Sporting tem encarado a I Liga. Parece-me que Rúben Amorim não terá pesado bem o momento do Marítimo. Estamos a falar de uma equipa da I Liga, não é a mesma coisa que o Benfica não convocar sete jogadores para o Estrela da Amadora", reforçou.

Com a "experiência de muitos jogos", Carlos Brito admitiu que já teve jogos "com equipas de escalões inferiores" e mexeu bastante na equipa.

"Já me correu bem e já me correu bastante mal. Depende do momento em que fazemos as alterações e da quantidade de jogadores que alteramos", explicou.

O técnico reconheceu que, perante adversários mais modestos, os treinadores sentem-se tentados "a dar uma oportunidade a quem joga menos", para "premiar" o empenho dos jogadores, mas adiantou que Rúben Amorim teria sido mais sensato se 'guardasse' as mexidas para o jogo com o Rio Ave, para a I Liga.

"Se calhar, eu fazia as alterações com o Rio Ave, porque o Sporting joga em casa e na eventual perda de um ou outro ponto pode recuperar. Em provas a eliminar a situação é sempre mais sensível", frisou.

"Não faz de Rúben Amorim menos treinador, é um processo de aprendizagem. Arriscou um pouco [ao mexer muito no onze]. Os treinadores fazem isso com a melhor das intenções, mas de boas intenções está o inferno cheio", finalizou Carlos Brito.