Portugal
"O Sporting não dá jantares, não dá vouchers", diz Dias Ferreira
Redação
2021-04-12 12:55:00
Ex-presidente da Assembleia do Sporting critica nomeações de árbitros da AF Porto para jogos de equipas lisboetas

Dias Ferreira está revoltado com as arbitragens e atira-se ao Conselho de Arbitragem da Federação Portuguesa de Futebol, realçando que o Sporting é uma espécie de 'parente pobre' nestas situações, sendo, em sua opinião, um alvo fácil por parte da estrutura liderada por Fontelas Gomes. Na sequência de nova perda de pontos dos leões no campeonato, que permitiu aos rivais uma aproximação aos leões, o ex-presidente da Mesa da Assembleia Geral verde e branca lamenta a nomeação de árbitros da Associação de Futebol do Porto para jogos de equipas da capital mas não se fica por aí.

"Os árbitros expulsam o Rúben Amorim com muita facilidade e por 'dá cá aquela palha'. Os árbitros são invejosos. São protagonistas normalmente pela negativa. Agora quando se diz ou faz qualquer coisa expulsam. Já estamos habituados. Os árbitros são incompetentes e têm falta de categoria, para não dizer outra coisa. Às vezes a falta de competência tem outro nome. Eles não gostam de quem é competente. Nomeiam árbitros da Associação de Futebol do Porto para jogos das equipas de Lisboa, etc. Isto é tudo a mesma coisa. Os senhores árbitros têm que fazer o trabalho a que estão habituados. O Sporting não dá jantares, não dá almoços, não dá vouchers, não mete cunhas por eles. Essas coisas a determinada altura têm que se pagar", criticou Dias Ferreira, dizendo que os árbitros "inclinam os campos". 

A este respeito, o ex-dirigente do Sporting realça a forma como Rui Costa, da Associação de Futebol do Porto, mostrou amarelo a João Palhinha diante do Famalicão. "Vemos o entusiasmo com o que o Rui Costa tirou o cartão para o Palhinha, parecia pólvora. O ar feliz, ele correu logo sem ver a falta que aconteceu anteriormente, essa passou", indicou Dias Ferreira, aludindo ainda à falta de Gonçalo Franco, do Moreirense, na jornada anterior sobre Nuno Mendes, lembrando ainda a forma como Fransérgio, do SC Braga, foi expulso por acumulação de amarelos no SC Braga-Benfica. "O outro mostra amarelo ao jogador do SC Braga [Fransérgio diante do Benfica] como mostrou. Os outros jogam contra 10 e nós contra 11 e contra o árbitro", reparou Dias Ferreira.

Na Renascença, para o ex-dirigente dos leões, o que tem acontecido ao Sporting não o deixa admirado. O antigo presidente da Mesa da Assembleia Geral entende que já esperava que estas situações pudessem acontecer na ponta final do campeonato português. E por isso crê que Frederico Varandas e a sua administração não devem criticar as arbitragens nesta fase. "Falar estamos nós a falar há muitos anos. Andaram ali numa altura em que a tendência era a de proteger quem ia à frente ou estão melhor. Não houve razões de queixas. A diferença era tão clara que o melhor era estar equilibrado. Agora nasceu uma perninha à criança é apanhar nesta parte final de tudo. Não tenho dúvidas nenhumas. Nunca tive", exemplificou Dias Ferreira, muito crítico com as arbitragens nos jogos do Sporting e nos encontros dos rivais agora que o campeonato está na ponta final e o leão está a ceder terreno na frente.

O empate a um golo diante do Famalicão custou ao Sporting, no domingo, dois pontos na luta pelo título da I Liga de futebol, em jogo da 26.ª jornada, permitindo assim uma aproximação de FC Porto e Benfica que já na ronda anterior tinham ficado mais próximos da formação liderada por Rúben Amorim que já tinha empatado em Moreira de Cónegos.